Menu
RSS


«Jackie» por André Gonçalves

"As pessoas gostam de acreditar em contos de fadas", diz-nos na última bobine de filme a Jacqueline Kennedy do chileno Pablo Larraín, para posteriormente rematar com: "Acredito que as personagens que lemos na página acabam por ser mais reais que os homens que estão ao nosso lado".  É precisamente esta contradição, este binómio fantasia/realidade da própria imagem pública que temos de uma celebridade, entre o que é vivido no privado e a imagem pública que é projetada (e que se torna real) que Larraín explora, e explora de uma maneira bem refrescante, sobretudo quando comparamos esta sua abordagem à tendência generalizada de pegar numa figura e contar a história de vida e morte desta. 
 
Não se trata também de reviver eventuais teorias da conspiração sobre o assassinato do Presidente; é uma história puramente sobre o luto de uma mulher, um drama de fazer corar muito realizador pela não-exploração da tragédia, enveredando, sim, por uma sequência de conversas. A do jornalista para Jackie, de Jackie para o Padre (um John Hurt ainda mais tocante que o costume, dada a sua morte recente), e entre Jackie e a sua secretária (Greta Gerwig) ou Bobby Kennedy (Peter Sarsgaard), alternando também as memórias de um programa televisivo onde a então primeira dama se encarregou de mostrar a Casa Branca ao povo norte-americano, e claro, a memória do infame dia do atentado, do funeral e da marcha fúnebre. Tudo isto em apenas hora e meia de filme. 
 
O anterior filme de Larraín, "Neruda" (que ironia da distribuição, chegará umas semanas mais tarde no nosso país) já tinha mostrado ao mundo que o chileno não está interessado em "biopics" convencionais. Mas "Jackie" parece a este escritor uma obra mais eficaz na sua gestão narrativa, e estranhamente - dado que estamos agora em solo norte-americano - ainda mais liberta.
 
 
Larraín e a cinematógrafa Stéphane Fontaine investiram claramente o tempo necessário para nos colocar sem quaisquer dúvidas na era de Kennedy (anos 60), ajudados claro está pela direção artística e pelo guarda-roupa. A banda sonora de Mica Levi ("Under the Skin") vai ali ajudando a pontuar a estranheza destes tempos (e a estranheza geral deste dito "biopic" que rejeita rotulações) e a sensação de perda. Pese a solidez o elenco de secundários acima referido, Natalie Portman é obviamente "a" performance do filme - a sua mimetização sem quaisquer erros evidentes da própria performance pública de Jackie acaba por acrescentar perversidade a uma película que, não escapando a inevitáveis acusações de artificialidade (ou até de ser um objeto embalsamado), me pareceu mais real (i.e. sincero) e fascinante no seu retrato de um retrato e na sua relativa liberdade criativa que as biografias "factuais" e "verdadeiras" que fomos vendo nos últimos anos...
 
O melhor: O artifício da reconstituição de época e da performance (da performance pública de Jackie) de Portman ao serviço de um dos "biopics" menos convencionais dos últimos anos. 
 
O pior: Tanto artifício pode fazer muito espectador sair da sala mais irritado do que se Larraín tivesse jogado mais pelo seguro/convencional (tal está provado também na incapacidade do filme ter conseguido mais nomeações aos Óscar). 
 
André Gonçalves


Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos