Menu
RSS


Inês Castel-Branco: "fiquei completamente apaixonada por Snu Abecassis"

Mais conhecida pela participação em séries e novelas na TV como Morangos com Açúcar, Doce Fugitiva, Lua Vermelha ou Mar Salgado, a atriz Inês Castel-Branco vai mantendo igualmente uma carreira no Teatro e tem agora no Cinema, neste Snu, o seu primeiro grande papel no grande ecrã.

Ela é Ebba Merete Seidenfaden, a editora dinamarquesa que ficou conhecida por todos como Snu Abecassis. O filme de Patrícia Sequeira foca-se na história de amor e coragem vivida entre Snu Abecassis e Francisco Sá Carneiro, isto até ao trágico acidente que lhes ceifou a vida em Camarate na noite de 4 de dezembro de 1980.

O c7nema esteve à conversa com a atriz, a qual nos falou da investigação que fez para o papel, de como foi trabalhar com Pedro Almendra e Patrícia Sequeira, e aquilo que mais a fascinou em Snu Abecassis.

Aqui ficam as suas palavras:

Como é que te preparaste para este papel? Houve uma grande investigação?

Começou com as investigações e observações que a Patrícia [Sequeira] me passou. Ela já estava completamente dentro da história do guião e daquilo que queria fazer, dos símbolos que queria usar. A partir daí, foi um trabalho mais solitário. Ler, ler, ler. Não só sobre a Snu, mas sobre o Sá Carneiro, a época, a cultura escandinava, a escola onde ela estudou, tudo isso. Depois foi começar a trabalhar com o Pedro [Almendra] e com a Sara Carinhas, que fez a direção de atores do filme. Esse trabalho começou muito antes de começarmos a rodar.

Posteriormente foi juntar isto tudo, mais as entrevistas que fizemos às pessoas que conheciam a Snu: a secretária dela, a secretária dele, uma amiga dela, e várias outras que a Skydreams [produtora] providenciou em encontros. Foram ótimos esses encontros. É completamente diferente ler uma coisa informativa ou falar com alguém que privou com ela. Depois juntamos tudo num "liquidificador" e saiu a minha SNU.

E como foi o trabalho com a Patrícia? Ela disse-me que a Inês é muito expressiva e que a certa altura teve de lhe "amarrar as mãos" (risos)...

(risos) Foi neste trabalho inicial de ensaios com a Sara Carinhas, nas primeiras improvisações que fizemos. Eu estou muito mais habituada a fazer televisão e nesse meio usa-se muito mais o corpo do que em Cinema, até porque os planos são mais abertos e é outro tipo de linguagem. E ela começou a policiar-me e a dizer: "não quero que te mexas". Aliás, acho que estava com este casaco e ela virou-o ao contrário e fez dele um colete de forças. "Agora vais fazer a mesma coisa sem braços", disse (risos).

Já existe uma enorme intimidade entre nós. Quando trabalhamos juntas, ela pode fazer de mim o que quiser. Até colocar um colete de forças (risos). E sim, essa intimidade também ajuda depois no produto final.

E havia algum material em vídeo da própria Snu em que te pudesses basear?

A única imagem que há é do arquivo da RTP, uma entrevista que ela deu na Feira do Livro, mas não tem som. Assim, não dá para perceber. Nunca ouvi a Snu a falar. Nunca ouvi a voz da Snu.

Como foi trabalhar com o Pedro neste "grande amor"?

O Pedro foi a mais agradável surpresa do filme. Foram várias as surpresas, mas ele foi a maior. Eu não o conhecia. Conhecia algum trabalho dele, já o tinha visto em Teatro. Mal soube que seria ele, perguntei logo a alguns amigos se já o conheciam e toda a gente dizia sempre as melhores coisas sobre ele. Ele tem mesmo muito bom feitio a trabalhar e quando o conheci percebi que a nossa entrega era igual e gigante.

Ele é muito generoso. Isto parece um lugar comum, mas não é. Às vezes, um ator generoso faz metade da química entre um e outro. Isto é um jogo. Para além disso, sempre teve um sentido de humor ótimo e mostrou sempre interesse em falar da pesquisa que fizemos.

Acho que ele fez muito bem a interpretação do Sá Carneiro, a nossa interpretação do Sá Carneiro apaixonado.

Existe algum plano de lançar o filme internacionalmente?

Não faço ideia, mas penso que sim. Tendo em conta que o outro filme de Patricia - Jogo de Damas - esteve em vários festivais e ganhou prémios.

E agora aquela pergunta: Teatro, TV ou Cinema? Onde gosta mais de trabalhar?

Tudo. Cada um dá prazer à sua maneira. Aquele que tenho mais dificuldade é o Cinema, mas se calhar é pela falta de experiência. Mas tudo me dá prazer.

Estás sempre aberta ao Cinema?

Sim. Estou aberta a tudo, desde que os projetos não se sobreponham, senão o meu filho não me vê. Gosto de fazer boas personagens e boas histórias e acho piada às três linguagens diferentes. Acho piada a representar, é o que eu gosto.

Tivemos na televisão há pouco tempo a Snu, interpretada pela Victória Guerra. O que achaste do trabalho dela?

Vi muito pouco, pois não me queria influenciar, mas estava muito curiosa. Não só porque acho que a Victoria é uma atriz "de mão cheia", mas porque também é minha amiga. Nós falamos bastante sobre a Snu e é engraçado porque sempre assumimos que ela ia fazer a Snu nova e eu a Snu no final [da sua vida]. E eu quis vê-la precisamente por isso. Acho que uma podia completar perfeitamente a outra. A Snu dela, que era mais nova e chegou a Portugal um bocadinho assustada com o que encontrou, e depois a minha Snu, que já estava instalada, a participar numa mudança que ela queria fazer.

Não te importa se no mundo do cinema ficares agarrada à personagem da Snu?

Se ficar, fico muito contente. Porque depois poderão vir outros projetos e fico com o nome da próxima. Uma personagem forte tem sempre esse risco, mas a mim isso não incomoda nada.

A Snu fascinou-te mesmo...

Completamente. Fiquei completamente apaixonada por ela e pela sua história de vida. Pelo facto de, apesar de ter uma condição privilegiada - "a vida dela podia ser só comprar vestidos, ler livros em casa e viajar"-, ela querer [mudar as coisas, deixar a sua marca]. Desde miúda. A mãe dela escreve num livro sobre ela, e o diário dela diz isso também. A Snu queria fazer alguma coisa que usasse o cérebro, que mudasse mentalidades e que deixasse uma marca. E foi isso que ela fez.

E agora a seguir? O que é que vais fazer em termos laborais?

Estou a ensaiar uma peça que estreia a 20 de março no Teatro do Bairro, que é Terror e Miséria do Terceiro Reich, do Bertolt Brecht, encenada pelo António Pires. Passa-se na Alemanha ocupada pelos nazis, nos anos 30, com vários quadros: alguns mais trágicos, outros mais cómicos. É isso que tenho feito quase todos os dias, além de promover este filme.

Depois da peça acabar a 14 de abril, começo a gravar uma novela até outubro deste ano. Depois não sei...

Não há Cinema nem há séries no horizonte?

Até agora não. (risos)



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos