Menu
RSS


Entrevista a Luisa Sequeira, realizadora de «Quem é Bárbara Virgínia?»

Uma das propostas mais curiosas do DOCLisboa 2017 foi «Quem é Bárbara Virgínia?», um documentário sobre a primeira mulher a realizar um filme em Portugal, na década de 40, e a qual foi também o primeiro português (sim, em termos absolutos) a apresentar um filme em competição em Cannes, em 1946, Três Dias sem Deus, do qual restam 26 minutos sem som.

O c7nema falou com Luisa Sequeira, jornalista, mentora do Shortcutz Porto e apaixonada do Cinema Português que agora também se aventura na realização.

Como surgiu a aventura de fazer um documentário sobre Bárbara Virgínia?

Estava a trabalhar num projeto sobre a mulher no cinema português. Uma das pioneiras na realização foi Bárbara Virgínia e quando soube que estava a viver no Brasil, decidi de imediato que tinha de estar com ela, falar com ela... Começou logo aí a ideia de fazer um documentário sobre a realizadora. Quem é esta mulher? Como foi fazer um filme na época da ditadura? Porque foi para o Brasil? Tinha muitas questões...

Foi um processo demorado. Que contratempos encontraste?

Sim, demorou algum tempo... desde a tentativa de encontrar a realizadora até chegar a São Paulo e depois todos os contratempos e vicissitudes da viagem...
Apesar de todas as dificuldades e desafios próprios de qualquer filme documental, foi um trabalho que contou com a colaboração de muitas pessoas com uma enorme generosidade .


Quem é Bárbara Virgínia?


Surpreende-te que a maioria das pessoas, mesmo ligadas ao cinema, desconhecem a Bárbara Virgínia?

Não me surpreende, infelizmente o trabalho da Bárbara não está referenciado em muitos livros nem publicações... Mas felizmente, nestes últimos dois anos têm surgido mais trabalhos sobre a realizadora, principalmente no meio académico.

A história da Bárbara foi esquecida, assim como a história de muitas outras mulheres... Bárbara Virgínia protagonizou a longa-metragem Três Dias sem Deus com apenas 22 anos, em 1946 esteve na seleção do 1ª edição do festival de Cannes, além de ser a única mulher a realizar uma longa-metragem na altura da ditadura. Não nós podemos esquecer que Portugal era uma sociedade machista e patriarcal, na altura nem todas as mulheres podiam votar, nem podiam viajar sem autorização do marido ou dos pais...

O filme estreou em simultâneo em Lisboa e em São Paulo, em grandes palco do documentário. O que se segue para o projeto?

Sim, vai estrear no doclisboa dia 25 de ouubro e logo depois, dia 27 na Mostra de São Paulo, duas cidades que fazem parte da história de Bárbara Virgínia.

Achas que há um novo cinema português? Sentes-te parte dessa nova geração?

Existe um cinema português muito particular, com poucos meios temos realizadores a fazer excelentes filmes, com uma grande projeção internacional. Mas é difícil fazer cinema, conseguir apoios, colocar os filmes nos festivais mais indicados e depois existe a distribuição dos filmes no circuito comercial em Portugal. Ainda temos um longo caminho de formação de públicos. Sinto-me parte da geração que gosta de cinema português, que vê cinema português e que tenta fazer filmes...

O que vem a seguir?

Estou em trabalhar em vários projetos... Neste momento estou a realizar com o artista Sama o documentário "Nada a temer", um filme urgência sobre o absurdo que está a acontecer no Brasil, um atentado à democracia e a liberdade de uma população que foi vítima de um golpe. Também estou a produzir um filme com a Luisa Marinho e a Ana Luísa Amaral sobre As Novas Cartas Portuguesas.

 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos