Menu
RSS


«Corniche Kennedy» por Aníbal Santiago

 

Ela observa-os ao longe. Tenta roubar um telemóvel e filmá-los na praia. Eles atiram-se do alto das rochas em direção ao mar Mediterrâneo. O confronto é inevitável. Segue-se uma discussão e um desafio. Ela enfrenta os seus medos, atira-se ao mar e conhece uma sensação de liberdade. Rapidamente passa a integrar o grupo. Ela é Suzanne, uma adolescente que se encontra a finalizar o ensino secundário e conta com uma família que lhe proporciona todas as condições para prosseguir com os estudos. Suzanne é interpretada de forma sublime por Lola Créton, com a atriz a transmitir o desejo de libertação desta jovem, bem como a sua ânsia de descobrir, amar, andar ao sabor do vento, nadar e desafiar as regras.

Do grupo de adolescentes sobressaem Mehdi (Alain Demaria) e Marco (Kamel Kadri), dois amigos de longa data que começam a sentir algo mais forte por Suzanne, enquanto esta apresenta uma postura ambígua para com a dupla. A relação do trio é exposta de forma convincente e desenvolvida com acerto, com a química entre Kadri, Demaria e Créton a ser notória, enquanto ficamos diante do quotidiano destes personagens, seja a estabelecerem laços, a transgredirem regras e leis, ou a desfrutarem da beleza do território que os rodeia e a enfrentarem os perigos. O mar transmite simultaneamente uma sensação de libertação e clausura. Este é um espaço onde os personagens se evadem da realidade e extravasam os seus sentimentos, com o trabalho de Isabelle Razavet na cinematografia a realçar a vivacidade da água e as suas tonalidades azuis cristalinas, a violência do embate entre os corpos e o mar, e as sensações inquietas que perpassam pela mente destes jovens que mergulham entre os últimos laivos da irresponsabilidade juvenil e a inevitabilidade da chegada à idade adulta.

Fora do mar, Marco e Mehdi lidam com os perigos do mundo que os rodeia. Ambos vivem num local problemático de Marselha e contam com famílias com poucas condições. Diga-se que Marco trabalha para um traficante, algo que o conduz a entrar na rota de uma polícia (Aïssa Maïga) que se encontra a tentar deter o criminoso, com a representante das autoridades a assumir algum relevo no interior do enredo. Se Suzanne é uma jovem rebelde que foi relativamente protegida pelos pais, lida com um meio distinto em relação àquele em que foi criada e desafia as barreiras sociais, já Mehdi e Marco foram desde cedo obrigados a lidar com o lado negro do mundo dos adultos, com ambos a serem compelidos a "crescer antes de tempo", embora conservem no seu interior uma certa ingenuidade. Demaria e Kadri contam com interpretações dotadas de competência, prontas a exprimir a mescla de dor, rebeldia, fúria e fragilidade que marca a personalidade dos personagens que interpretam. O argumento, inspirado no livro homónimo de Maylis de Kerangal, ajuda e muito os intérpretes, com estes a contarem com falas que parecem genuinamente de alguém que vive neste meio.

A realizadora Dominique Cabrera exibe uma preocupação genuína para com os personagens e as suas ligações, enquanto desenvolve assuntos relacionados com a transição para a idade adulta (a formação da identidade, os sentimentos exacerbados, a ânsia de sentir e experimentar novos desafios) e um triângulo amoroso, efetua comentários do foro social (note-se as assimetrias do território do título) e embrenha-se por uma investigação policial. Cabrera gosta tanto dos personagens que a espaços deixa que Corniche Kennedy caminhe ao ritmo dos seus sentimentos, algo que ajuda a explicar a forma como se perde a partir do momento em que o enredo entra numa fase decisiva, quando assume uma inconsequência quase juvenil, tenta fugir às repercussões dos temas que lançou e abraça os lugares-comuns. É uma obra dotada de sentimento, capaz de explanar e aproveitar as características do território em que se desenrola o enredo ao mesmo tempo que nos deixa perante um trio de protagonistas que convence, desperta o nosso interesse e faz com que observemos atentamente a forma como desafiam os medos, as autoridades, o destino e as barreiras sociais.


Aníbal Santiago



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos