Menu
RSS


«Once Upon Time in Venice» (Era Uma Vez em Los Angeles) por Aníbal Santiago

Muitas das vezes escrevemos que um ator entrou num filme "para o cheque". Nada contra o facto de um intérprete querer encher os bolsos. O problema é quando temos de ver o resultado desse trabalho. "Once Upon a Time in Venice" é um desses filmes em que quase todos os elementos do elenco transmitem a ideia de que apenas estão a trabalhar com essa finalidade. Bruce Willis até parece estar a divertir-se imenso a interpretar uma caricatura de si próprio, tal como Jason Momoa, mas esse sentimento está longe de se refletir nas nossas pessoas. Diga-se que o filme reflete paradigmaticamente a fase menos fulgurante da carreira de Willis: feito maioritariamente para o mercado de VOD; realizado por um cineasta medíocre ou que não tem poder para controlar a vedeta (uma opção não exclui a outra); pontuado por um argumento vulgar e personagens desprovidos de complexidade.

O realizador que não consegue domar a vedeta é Mark Cullen, um cineasta que se revela incapaz de elevar "Once Upon a Time in Venice" acima da mediocridade. Talvez o adjetivo seja demasiado severo, ou não estivéssemos acima de tudo perante um filme preguiçoso, que vive à sombra dos sucessos do passado de Willis e parece uma desculpa para uma parte considerável do elenco desfrutar de umas férias remuneradas. O ator interpreta Steve, um detetive privado relativamente despreocupado e incompetente, que apenas exibe alguma perspicácia quando a duração do filme já vai longa. Este habita e trabalha em Venice Beach, um local dotado de contrastes, praias, belas mulheres e calor, que nos é inicialmente apresentado por John (Thomas Middleditch), o assistente do protagonista e narrador de serviço (a narração em off é utilizada de forma pouco pragmática).

Middleditch é o único integrante do elenco que tem espaço para dar um ar da sua graça. O ator exibe algum do seu talento para o humor e transmite o tom simultaneamente atrapalhado e prestável de John, enquanto este trabalha em diversas investigações, quase sempre sem a companhia do protagonista. Essa separação parece acima de tudo recurso para evitar que Middleditch roube o destaque a Willis, com o ego da estrela dos anos 80 a sobrepor-se a tudo o resto. É certo que esta decisão permite dar mais espaço a Middleditch, apesar de também contribuir para tirar ainda mais o foco a um enredo invariavelmente caótico. Percebe-se a ideia de criar algo com uma estrutura caótica, dotada de investigações intrincadas e personagens pouco confiáveis, um pouco a fazer recordar alguns filmes noir, embora boa parte das tramas e subtramas estejam longe de despertar interesse, tal como as pífias cenas de ação e a miríade de personagens que nos são apresentados.

Famke Janssen parece estar no elenco para decorar ou por ter perdido uma aposta, com a atriz a interpretar a irmã de Steve, enquanto John Goodman surge em piloto automático a dar vida a uma antiga “estrela” de surf que se encontra em crise. Temos ainda Jason Momoa como Spyder, um traficante musculado, de gestos caricaturais e pouca densidade psicológica, bem como Adam Goldberg como Lew "the Jew", um dos vários personagens que condimentam o chorrilho de estereótipos e lugares-comuns que constam no interior de "Once Upon a Time in Venice". Note-se ainda Jessica Gomes como Nola, uma personagem que tem na beleza e na capacidade de fornicar os protagonistas os maiores traços da sua personalidade.

Para o melhor e o pior, o destaque natural do filme acaba por ser Bruce Willis a interpretar o seu personagem-tipo. Steve dispara falas sardónicas, exibe uma enorme descontração, enquanto protagoniza uma série de situações peculiares, sobretudo quando Spyder rouba o seu cão. Ao longo do filme, ele envolve-se com traficantes, agiotas e outros criminosos, leva pancada (de forma "mágica" raramente fica com um arranhão), enquanto tenta descobrir a identidade de um pichador, resgatar o seu animal de estimação, recuperar um carregamento de heroína, entre outros episódios que pontuam este enredo desengonçado. As situações rocambolescas acumulam-se, tal como as tentativas de "Once Upon a Time in Venice" mostrar que tem piada. Pena é que nunca ganhe vida.

Aníbal Santiago



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos