Menu
RSS


«Logan - The Wolverine» por Duarte Mata

 

E se este ano Trainspotting teve um regresso nostálgico, o último capítulo da trilogia de Logan não poderia ser mais antagónico e apenas focado em si, menosprezando completamente o tom previsível, juvenil e aligeirado que havia caracterizado as anteriores incursões da personagem de Wolverine (Hugh Jackman) na saga X-Men. O resultado? O filme mais corajoso em torno de uma personagem da Marvel até agora.

É o ano de 2024 e a população mutante está bastante reduzida. A Logan/Wolverine o único amigo que resta é o seu tutor, Professor Xavier, que sofre de uma doença neuro degenerativa que não lhe deixa em plena posse das suas capacidades extraordinárias. Bêbado e depressivo, ganha a vida como chaffeur para poder pagar os medicamentos ao Professor, ao mesmo tempo que planeia o seu suicídio. Até encontrar uma criança mexicana com os mesmos poderes que os seus, podendo ser (ou não) a sua filha. Segue-se então um intenso jogo de gato-e-rato na tentativa de levar a criança à comunidade de onde foi roubada, ao mesmo tempo que membros sádicos de uma empresa farmacêutica a perseguem para finalidade experimentais.

Os heróis estão cansados. Velhos e gastos tentam, a custo, sobreviver economicamente num mundo que já não conseguem mais mudar. O filme de James Mangold lida com temas tão adultos como a paternalidade, os limites da engenharia genética, o recente conflito social entre os EUA-México e, finalmente, a morte como o fim de tudo. O realizador e ator continuam o trilho de violência que o Deadpool havia aberto e levam-na a um nível ainda mais gráfico e sério. A classificação que recebeu é de um R pesadíssimo que torna o filme definitivamente não aconselhável para crianças. E é isso, associado à maturidade com que fala dos temas a que se propõe, que impressiona, misturando found footage com terror, drama familiar com road movie, western com super-heróis, tudo no mesmo filme. Nem falta o uso de excertos de Shane e, de facto, a intriga acabará por lembrar bem a do clássico George Stevens, mas como se fosse filmado por Sam Peckinpah.

Mesmo que Mangold não seja o mais elucidado dos cineastas, a visão que pretende trazer é de algo mais adulto e raro no sistema. Nem Snyder, nem Vaughn fizeram ainda um filme assim, com um tratamento tão cru das personagens e tão ausente de esperanças. E os créditos correm ao som do intimidante The Man Comes Around de Johnny Cash. Não haverá nenhuma cena depois deles. Wolverine, felizmente, acaba mesmo aqui.

O melhor: O gesto corajoso em usar uma personagem da Marvel já muito infantilizada num filme mais adulto, sem ligeirezas no tratamento da violência.
O pior: Mangold continua a ter um estilo muito formatado e de estúdio no que toca à encenação.


Duarte Mata



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos