Menu
RSS

 



«Safari» por Paulo Portugal

O austríaco Ulrich Seidl leva-nos a um parque de diversões com caça ao menu. "Na verdade, com a sua morte estamos a ajudar estes animais”, diz a certa altura uma das personagens que documentam este novo documento do austríaco Ulrich Seild, desta vez a acompanhar caçadores de recreio numa reserva africana e que compõe o por vezes perturbante “Safari. Trata-se de uma caçadora jovem, algo inexperiente, que parece rebuscar uma justificação para matar animais selvagens, ao lado do namorado bem mais ousado que gostaria de matar uma zebra porque “tem a pele muito bonita”.

Do austríaco Ulrich Seidl habituamo-nos a esperar relatos cínicos e silenciosos de algumas tendências dos seus conterrâneos. Seja as aberrações privadas “Na Cave” (2014) ou nos desvios da trilogia “Paraíso”. Aqui temos uma nova variante do seu olhar, agora centrado num grupo de caçadores que procura a descarga de adrenalina do disparo certeiro num futuro adorno de parede. Uma atividade devidamente facilitada por peritos que os conduzem ao local, lhe apontam a presa, colocam o tripé para a espingarda de longo alcance e até os ajudam a compor o animal morto para as fotos da praxe. Como que uma encenação da celebração da morte. Isto depois de selecionado o bicho num longo cardápio de preços. Mas também há, os mais idosos, quem prefira aguardar a passagem do bicho diante da objetiva num pequeno bunker de madeira a beberricar cerveja.

Em certo sentido, “Safari”é uma variante de “Paraíso: Amor” (2012), em que as “sugar mammas”, as balzaquianas austríacas, iam à ‘caça’ de negros jovens para umas férias de sexo e lazer. O registo é implacável e imperturbável. Com o mesmo olhar lívido dos troféus que inundam as paredes daquela villa na Namíbia. O problema é que este realismo cru de Seidl já não nos surpreende da mesma forma. Como que começa a denotar até alguma falta de frescura. O cinismo continua ácido, mas a denotar um tom algo repetitivo. Continua bom. Mas menos.

O melhor: Uma nova viagem ao universo negro dos caçadores de lazer

O pior: A ideia de que Seidl começa a repetir-se

Paulo Portugal



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos