Menu
RSS


Morreu António de Macedo, o "mestre do cinema de género português"

Realizador e argumentista, Antonio Macedo, faleceu esta tarde (5/10), após ter dado entrada no Hospital de Santa Marta, em Lisboa. Tinha 86 anos e era tido como um dos nomes mais resistentes do cinema de género português, porém, a sua carreira é hoje alvo de reavaliação.

Com formação em arquitetura, Macedo dedicou-se ao cinema e à literatura, tendo assinado uma das primeiras obras teóricas sobre cinema editadas em Portugal: A Evolução Estética do Cinema.

Cofundador do Centro Português de Cinema e Cinequanon, Macedo lançou o seu primeiro trabalho em 1961, o experimental A Primeira Mensagem, e em 1965 lançou a sua primeira longa metragem, Domingo à tarde, considerada uma das fundadoras do Cinema Novo, juntamente com Belarmino de Fernando Lopes e Verdes Anos de Paulo Rocha, todos eles produzidos por António da Cunha Telles. 

Ao longo dos anos tornou-se o único cineasta nacional a trabalhar no cinema de género, com filmes como Sete Balas para Selma (1967), um ensaio de espionagem à portuguesa condenado pela crítica e pelo público. Como tal segue para o documentário, fase que foi interrompida pelo Nojo dos Cães, filme censurado e de caracter experimental em 1970. As más críticas voltaram a surgir com A Promessa (1972), onde baseado numa peça de Bernardo Santareno produz uma variação do western com encantamentos ciganos (primeira obra portuguesa a mostrar dois corpos nus) que acabou por integrar a competição do Festival de Cannes. Quatro anos depois surge o seu filme mais polémico, A Hora de Maria (1976), uma obra anti-religiosa onde teve de lidar com protestos da Igreja Católica e que ficou marcada por inúmeros desacatos durante a sua exibição no Cinema Nimas, em Lisboa.

Nos anos 80 entra pelo reino do cinema fantástico, com O Abismo da Meia-Noite (1984) [com nova polémica devido à breve nudez de Helena Isabel e Rui Mendes] e Os Emissários de Khalon (1988) a darem cartas, todos eles apresentados no Fantasporto em competição, tendo o próprio Macedo sido um dos primeiros júris do festival nortenho. Seguiram-se as fantasias lusitanas, A Maldição Marialva (1991), e o mistério de Chá Forte com Limão (1993). Todas estas obras foram envolvidas em más críticas e a fracassos de bilheteira (com a exceção de Os Abismos’ que contou algum burburinho devido às suas cenas de nudez).

O Segredo das Pedras Vivas (2016), que inicialmente fora uma produção televisiva dos anos 90 [O Altar dos Holocaustos], foi reconstruído como uma longa-metragem. A primeira exibição aconteceu numa edição do MOTELx, o Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa que tem apresentado homenagens ao realizador, tendo sido - juntamente com o Fantasporto (o qual lhe atribiu o prémio de carreira em 2003) e Doclisboa - responsável pela nova vaga de reavaliação da obra de Macedo.

Ainda este ano estreará Nos Interstícios da Realidade, um documentário de João Monteiro que segue de perto a sua vida e carreira, assim como a “conspiração” que contribuiu para o seu esquecimento e da extensa censura do qual foi alvo. O cinema de António de Macedo vai está desde ontem  em retrospetiva no SITGES – Festival Internacional de Cinema Fantástico da Catalunha, Espanha, estando prevista a exibição do documentário.

 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos