Menu
RSS


«BR 716» por Duarte Mata

Interessante e estimável exercício anacrónico para estes dias, onde o realizador Domingos Oliveira segue um grupo de jovens boémios e as festas que realizam no apartamento do título, BR 716 (a sigla refere-se à rua Barata Ribeiro, em Copacabana), no Brasil da década de 60, focando-se nas atribulações amorosas e laborais de Felipe (Caio Blat, num alter-ego assumido do cineasta), antigo estudante de engenharia e aspirante a argumentista.
 
É de facto aliciante o saudosismo que Oliveira remete para a Nouvelle Vague, a referência mais óbvia que se pode apontar ao filme, já que a ação reside essencialmente nas discussões de cariz político anticapitalista entre as várias personagens, mas também no sexo e nas aspirações individuais do triângulo amoroso central formado por Felipe e duas mulheres (Sophie Charlotte e Maria Ribeiro), com algumas referências literárias e muita da energia coloquial da época. É nos atores e na forma irrepreensivelmente orgânica como estão dirigidos que reside a força da obra, principalmente no duo Caio-Sophie, onde o primeiro é o designado “vencido da vida”, que tem tanto de risível como de comovente, e a segunda uma revelação extraordinária, genuína musa cinematográfica, que ora nos lembra de Anna Karina, ora nos recorda de Anouk Aimée e com um interlúdio musical que nos rememora a concupiscência inata de Rita Hayworth (afinal, a personagem chama-se Gilda).
 
Há bastantes semelhanças com o Masculino/Feminino de Godard, filme que já abordava a problemática das relações em menáges e envolvendo uma juventude tão dissipada de responsabilidades como a que aqui nos é apresentada. Mas há também o outro lado mais crítico, aquele de A Doce Vida, já que o apartamento em permanente estado de orgíaca ebriedade parece roubado do clímax do clássico italiano (e não por acaso, ambos culminam numa praia a fazer de metáfora fria para a irreversibilidade do tempo). Mas, apesar de tudo, sacrifica os seus lados mais intervenientes em prol de uma viva ode nostálgica à amizade e à fraternidade de gerações passadas.
 
Ainda assim, apesar de toda a simpatia que se nutra pelo projeto, há um problema com o tratamento de imagem, por vezes, próximo do low-budget, com um preto-e-branco francamente desfasado da textura digital com que as cenas são filmadas, desvalorizando a luz e com uso de grandes angulares terrível em alguns planos grotescos. Mesmo a edição, tem momentos no princípio onde duvidamos da seriedade do projeto. Oliveira deveria considerar reestruturar a sua equipa pois, queremos mais filmes assim, mas também os queremos melhor filmados.
 
O melhor: A direção de atores e a veia da Nouvelle Vague.
O pior: A fotografia.
 
Duarte Mata


Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos