Menu
RSS


«Lion» (A Longa Viagem para Casa) por Paulo Portugal

lion-dev-patel

Nem todas as histórias baseadas em factos reais têm necessariamente de corresponder aos clichés do género. Seja a acentuar o inevitável aspeto emocional destinado a fazer chorar as pedrinhas da calçada ou adornar o ramalhete pela inclusão de estrelas de renome. E o problema inicial é que “Lion” (“A Longa Viagem Para Casa”, na versão portuguesa) integrado numa das sessões de gala do Festival de Londres, sobre o destino de um menino indiano perdido em Khandwa e que acaba por ir parar às ruas de Calcutá, a mais de 1600 kms de casa, demorando mais de duas décadas para encontrar os pais, até navega sob essa bandeira. Felizmente, transforma-se num dos filmes mais intensos e emotivos do ano e uma “pré-consideração” para os Óscares.

No entanto, à partida, uma conjugação de elementos não agoirava o melhor. Desde logo, a origem melodramática do tema, reforçada pela entrega do projeto a um estreante vindo da publicidade e cedendo até à presença de uma mega-estrela como a australiana Nicole Kidman, aqui ao lado do londrino Dev Patel, embora de ascendência indiana, a afirmar-se como um valor a ter em conta para o futuro. Por isso mesmo, saudamos a surpresa ao constatar que nada se passa como o eventualmente esperado. O resultado acaba até por ser a comunhão de uma experiência intensa, vivida com o pulmão algo apertado e os olhos a doer de emoção.

A primeira parte do filme decorre integralmente na India, em tom profundamente realista, e integralmente falado em dois dialetos indianos, bengali e hindu. Sunny enche o ecrã de energia e talento natural, assim que o vemos na companhia do irmão Guddu (Abhishek Bharate) na sua deambulação para encontrar alimento, e depois, já perdido, num percurso que o levará a um orfanato e depois à adoção. Até aqui temos apenas um filme puramente indiano, que se vai ocidentalizando assim que Saroo chega aos novos pais adotivos na Tasmânia (Nicole Kidman e David Wenham, o Faramir de “O Senhor dos Anéis”).

De forma inteligente, Garth Davis consegue navegar a linha fina entre o melodrama piegas e uma história bem contada, sabiamente optando pela segunda via. Apesar de secundária, vulnerável e intensa Nicole Kidman, não destila um milímetro sequer de overacting. Ainda que o filme pertença a Dev Patel, a versão adulta de Saroo Brierly, também o autor do livro em que se inspira o filme, bem como, ou sobretudo, ao incrível Sunny Pawar, Saroo enquanto garoto.

É já com Saroo adulto, por volta do início do séc XXI, que o filme entra numa velocidade diferente, partilhando um ambiente mais familiar, já com uma namorada americana (Rooney Mara) e um estilo mais convencional. É com a descoberta do Google Maps que encurta à distância de um clique a navegação próxima da região onde morara em criança e, consequentemente, o desejo se saber o que sucedeu ao seu irmão e família, mas também a saber algo mais sobre si próprio.

É claro que tudo isto poderia correr bastante mal, mas não. Daí o tal frémito no peito numnarrebatador em que muitos na sala soçobraram à emoção. O mérito vai para o acerto do guião adaptado por Luke Davies (autor do avassalador “Candy”, com Heath Ledger e Abbie Cornish), mas também para uma rigorosíssima direção de atores. Até aqui tudo bem. Razão pela qual talvez não fosse necessário acentuar ainda mais a intensidade com um score musical destinado a um final enxugado a kleenex e ao apelo das organizações humanitárias.

O melhor: O realismo de toda a primeira parte passada na Índia

O pior: A inevitável exploração emocional na segunda

Paulo Portugal



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos