Menu
RSS

 



«Snowpiercer» (Expresso do Amanhã) por Roni Nunes

O futuro distópico numa das suas mais recentes encarnações apresenta-se assente num artifício original: os últimos habitantes de um planeta Terra subitamente congelado estão refugiados  num comboio em permanente movimento. Pensado para reproduzir o antigo ecossistema, ele também carrega do velho habitat um elemento inconveniente: as agudas diferenças sociais. A escumalha, suja, mal alimentada e sujeita a todo tipo de opressões físicas, ocupa as últimas carruagens. Até que surge a revolta.

O realizador Bong Joon-ho (de "The Host – A Criatura") adapta uma banda desenhada francesa onde são evidentes as possibilidades de aproveitamento para um filme de ação (o movimento permanente), uma estrutura dramática facilmente evolutiva (com direito a passagens de nível estilo videojogo), um ambiente naturalmente claustrofóbico e o forte componente de comentário social.

Ao mesmo tempo, a sua opção não é pela imundície calculada e distribuída em doses homeopáticas do recente "Elysium", seu primo temático, mas antes por algo mais sujo e violento – onde lutas de foices, machados, punhais e metralhadoras traduzem-se numa pouca solidariedade com seus várias protagonistas de carisma variáveis. Ao mesmo tempo, circula por ambientes familiares a obras do género, incluindo uma muito "huxleyniana" sequência em que crianças são ensinadas sobre as castas sociais e a benevolência de Mustapha Mond (que aqui chama-se Wilford).

A metáfora deste passeio de montanha russa (com imagens alucinantes de exteriores colossais) é óbvia: também vive a humanidade num planeta superpovoado, marcado por agressivas diferenças de conforto e estatuto, enclausurada num perpétuo movimento sem finalidade e cujas mortes maciças ocasionais são, de vez em quando, necessárias para manter o equilíbrio do sistema. Se existe um Deus por trás da máquina, ele serve apenas para fazer uma cruel e fria gestão dos elementos para manter a engrenagem em funcionamento.

No todo, o género humano não parece muito simpático nem inspirador aos olhos de Bong Joon-ho: se o final não chega a assumir o cinismo absoluto para o qual aponta, a boa vontade do realizador para com os da sua espécie também não parece muita. O que talvez explique o carácter morno de alguns personagens e do impacte dramático do filme, certamente menos certeiro do que o da pancadaria.

O Melhor: o aproveitamento das possibilidades da ação e de um ambiente naturalmente claustrofóbico
O Pior: o alcance mais limitado em termos dramáticos, com personagens que nem sempre inspiram compaixão ou temor (no caso dos vilões)


Roni Nunes



Deixe um comentário

voltar ao topo

Secções

Contactos

Quem Somos

Segue-nos