Menu
RSS

 



«Big Little Lies»: Grandes ou pequenos, todos temos segredos!

Último dia do ano, altura de fazermos retrospetivas, de pensarmos no melhor e no pior do ano. Nos tops que por ai circulam sobre o que de melhor aconteceu na televisão ao longo de 2017, há uma presença que é quase comum a todos os blogues, sites, publicações especializadas, etc., «Big Little Lies», a série HBO.

Criada e escrita por David E. Kelley, baseada no romance homónimo de Liane Moriarty, tem um elenco principal recheado de estrelas: Reese Witherspoon, Nicole Kidman, Shailene Woodley, Alexander Skarsgård, Adam Scott, Zoë Kravitz e Laura Dern. A realização dos sete episódios da primeira temporada coube a Jean-Marc Vallée, o responsável por filmes como «Dallas Buyers Club» (título nacional: «O Clube de Dallas») e «Wild» («Livre», em Portugal). O mote da série é muito simples, aborda a vida de três mães, cujos filhos fazem parte da mesma turma do jardim-de-infância. O dia-a-dia destas três mulheres é aparentemente perfeito, mas os acontecimentos que se desenrolam ao longo dos sete episódios colocam a vida destas três mulheres a descoberto e expostas a extremos.

A história é contada em flashbacks e através de uma perspetiva omnisciente, mas enquadrada por interrogatórios policiais a personagens terciárias na série. No primeiro episódio conhecemos as personagens: Jane Chapman (Shailene Woodley) é uma mãe solteira que, na busca de uma vida melhor para o filho Ziggy, resolve começar de novo, em Monterey. No primeiro dia de escola de Ziggy, Jane conhece Madeline McKenzie (Reese Witherspoon), uma mãe e mulher dominadora, sem pudores e pronta a resolver os seus e os problemas dos outros.

Entre as duas mães, a empatia é imediata e a esta dupla, junta-se a melhor amiga de Madeline, Celeste (Nicole Kidman), cujos gêmeos também estão na mesma classe que os filhos das outras duas mulheres. O trio depressa ganha força e, como amigas que se tornam, começam a partilhar confidências e vivências.

A personagem de Witherspoon é uma manipuladora exímia. Com o seu ar singelo e feminino mas ao mesmo tempo, líder e destemida, dá a Madeline uma atitude feroz, energia rancorosa e temível mas mesmo assim, a história inclui muitos momentos contemplativos em que observamos Madeline simplesmente a dirigir, a ouvir música e regularmente perdida nos seus pensamentos. Provavelmente Reese terá beneficiado muito pelo facto de já ter trabalhado com o realizador e este foi sem dúvida um papel perfeitamente construído para os talentos atriz. Mas, verdade o restante elenco não fica atrás na entrega que dão às personagens. Woodley é emocional, problemática mas cheia de pureza juvenil, o que contrasta muitas vezes com a vida e intriga constantes de Madeline. A Kidman cabe o extraordinário papel de justaposição dos dois eixos: serena para seus amigos e imprudente na intimidade da sua casa. Alexander Skarsgård foi muito enaltecido pelo seu papel em «Big Little Lies» e todas as críticas positivas foram mais que merecidas. Perry Wright, interpretado pelo ator sueco, é aquele tipo de pessoa que queremos forçosamente odiar para evitar criar empatia.

   

Ver «Big Little Lies» é obrigatório e porquê?

- As personagens principais são complexas e repletas de nuances. A dinâmica de relacionamento entre todas elas é natural e bem conseguido;

- Os retratos realistas de mulheres em relacionamentos difíceis (por exemplo, abuso/violência) serve para que os espectadores que, infelizmente e pelos mais variados motivos sofrem ou conhecem alguém que padece do mesmo problema a estarem atentos a esta difícil realidade/vivência;

- O mistério principal da série é dado logo nos primeiros minutos do primeiro episódio. Sabemos que alguém morreu, mas não sabemos quem é o agressor ou vítima. Ao longo dos restantes episódios vamos juntando as peças, num argumento que se desenvolve através de viagens ao passado e ao presente. Pistas são lançadas, umas confundem-nos ainda mais, outras vão esclarecendo o crime. Ao espectador vão sendo dadas peças de um puzzle que nunca (exceção feita, obviamente a quem leu o livro) conta mais ou menos do que aquilo que deveria;

- Um elenco estrelar com interpretações estrelares.

A HBO, conseguiu o mesmo feito que alcançou com a primeira temporada de «True Detective», cativar o público com um mistério. Se na série de Cary Fukunaga o enigma é envolto em histórias sombrias e assustadoras, em «Big Little Lies», o crime é misturado com argumento bem escrito e envolvo em toques de sensualidade. 

A misteriosa afinidade com a série HBO começa logo com o título, «Big Little Lies», que traduzido - à letra - para português seria qualquer coisa como, “grandes pequenas mentiras”. Uma grande mentira nunca pode ser pequena e por isso, o título aparentemente amoroso e paradoxal é fácil de memorizar e só por si, é atraente. Estas três palavras revelam, discretamente, a história da série e a vidas de três mulheres e das suas famílias, que vivem no idílico subúrbio californiano de Monterey. A escrita de David E. Kelly e a realização de Jean-Marc Vallée usam as mentiras, os segredos e as vinganças e enquadram-nas naquela que é a mais grave das consequências, a morte.

«Big Little Lies» é uma análise intrincada sobre o universo feminino, o desejo pelo casamento, sexo, maternidade, amizade, trabalho - a vida em geral. Ao construir as histórias de forma individual e cativante em torno de um desenvolvimento tão drástico e tentador como é um assassinato, a série envolve o espectador e obriga-o a refletir como as mentiras podem atingir a maior das proporções. 

A série está bem escrita, bem realizada e soberbamente interpretada mas o grande segredo do sucesso da série é muito simples, é o facto cativante e certeza absoluta de que todos nós, espectadores, temos segredos e por vezes, telhados de vidro. É na empatia que está o segredo!

A HBO já garantiu a segunda temporada. Nicole Kidman e Reese Witherspoon estão a bordo, sendo que a realização caberá à magnífica Andrea Arnold. As expectativas não podiam estar mais elevadas…

“This is Monterey. We pound people with nice. To death.”



Deixe um comentário

voltar ao topo

Secções

Contactos

Quem Somos

Segue-nos