Menu
RSS


«Im Keller» (Na Cave) por Hugo Gomes

Já D.W. Griffith observava que para fazer um filme bastava juntar uma rapariga e uma arma, dando a noção de quão básica e rudimentar se tornaria a indústria cinematográfica. Em Im Keller existe uma sequência em que três conhecidos discutem sobre o "estado do mundo" de um forma tão generalizada, estereotipada e, em todo o caso, pouco conhecedora do que se passa ao seu redor, que ilustra perfeitamente essa ideia. O diálogo foi incentivado pelo tema da mulher e o trio é ávido amante de armas. Apesar disto, Ulrich Seidl não apresenta aqui mais um filme sobre quão básicas conseguem ser as pessoas. Ao contrário, aposta numa temática para celebrar a diversidade de mundos isolados.

O filme segue as várias "viagens" à intimidade das pessoas, descrita nas respetivas caves, convertidas em refúgios de identidade, por vezes roçando a perversidade voyeurista. O cineasta austríaco incute aqui todo o seu cinema fetichista, regressando à sua faceta cruel de trocista da diversidade humana e, mais uma vez, apresenta-se como o maior inimigo das suas personagens – às quais instala num circo de aberrações, a mercê do julgamento do espectador e, solenemente, da sua compaixão.

Aliás, o mesmo se sentirá culpado por estar a transgredir a privacidade dessas insólitas figuras, como intrusos de um mundo que obviamente não os pertence, e acreditem, alguns deles de digestão deveras difícil. Tal como havia feito na trilogia Paradise, Seidl mostra-se incapaz de povoar a sua cinematografia com emoções: apresenta sim um olhar critico e ácido, ditado por um humor negro e irónico que muito poucos cineastas conseguem executar com tamanha precisão.

Na Cave vem salientar aquilo que muitos dos leitores imaginavam: por detrás de "sociedades perfeitas" esconde-se uma bizarria animal. Aliás, vendo de um ponto de vista metafórico, cada ser possui a sua própria cave!



Hugo Gomes

 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos