Menu
RSS

 



Conhecendo a Mostra de Tiradentes – festival pioneiro do cinema de autor no Brasil

 

Todos os anos no mês de janeiro no estado de Minas Gerais, Brasil, a pequena cidade de Tiradentes, localizada a quase mil metros acima do nível de mar e com uma população em torno de 7 mil habitantes, é invadida por um enorme evento cinematográfico. Em 2018 a Mostra de Tiradentes chega a sua 21ª edição e, entre 19 e 27 de janeiro, vai exibir 30 longas-metragens e 72 curtas. Um dos pontos fortes são os debates: nada menos que 34 estão previstos – contando com a presença de um número considerável de convidados do meio cinematográfico.

Café e Canela, obra de Glenda Inácio e Ary Rosa, também selecionada para o Festival de Roterdão, que inicia a 24, fará as honras de abertura e encerra com as tonalidades surrealistas de A Moça do Calendário. O homenageado este ano é Babu Santana, conhecido do grande público por encarnar Tim Maia na sua “biopic”, mas com uma carreira assinalável no universo do cinema independente.


Café e Canela

Um dos temas deste ano é o Chamado Realista, que um dos curadores, Francis Vogner dos Reis, explicou em conversa com o C7nema como “um debate sobre o modo como  as demandas do real e o próprio material da realidade integra os mais diferentes filmes de maneira insinuante”.

A Mostra vai para a sua 21ª edição e conta com uma extensão em São Paulo. Desde o seu início até hoje a estrutura e o alcance do festival mudou muito?

O que mudou na verdade foi o cinema brasileiro. A mostra Autora é exemplar nesse aspeto: de Estrada para Ythaca, dos irmãos Pretti e dos primos Parente, passando por A Cidade é uma só, de Adirley Queirós, e chegando à Baronesa, de Juliana Antunes, muito coisa aconteceu nos modos de produção, muitas carreiras ganharam corpo e o interesse estético e inflexões políticas dos realizadores mudaram.

O festival, grosso modo, continua se baseando na dinâmica exibição-debate e, a cada ano, é uma temática ajuda a dar uma orientação para os debates e proporciona um recorte para se compreender algumas questões em jogo nos filmes de cada edição. O festival está atento para o que vem sendo feito. Isso não mudou desde que o Cléber Eduardo assumiu a curadoria em 2007.

Como vê a representatividade do festival no panorama do cinema brasileiro?

Ele tem o seu lugar na proposição do debate dos filmes e sobre os filmes, é também importante no lançamento de muitos realizadores em início de carreira e faz um esforço particular no sentido de esboçar um desenho da produção brasileira contemporânea. Existem hoje outros festivais muito importantes – também de orientações de curadorias diversas, Tiradentes é mais um deles e considero pioneiro na atenção e defesa da produção independente da última década.

O cinema de autor é um dos vossos focos notórios. Como vocês pensam o festival sobre esta perspetiva? Também há cinema de género?

Sim, existe uma perspetiva de defender um cinema com filmes que busquem uma assinatura particular, mas que não necessariamente é a do "autor pessoal" , o realizador, que se notabiliza por um estilo distintivo.

Tiradentes foi um dos primeiros festivais a dar atenção aos coletivos, a um tipo de realizador muito próximo da figura do artista conceitual, do “performer” do universo das artes visuais ou aos cineastas iniciantes que ainda não possuem uma obra - logo não seriam necessariamente autores. Nos últimos anos o festival tem dado atenção aos filmes de gênero (horror, comédia, ficção científica), porque tem aparecido filmes muitos expressivos nessa área.



Deixe um comentário

voltar ao topo

Secções

Contactos

Quem Somos

Segue-nos