Menu
RSS

 



«Bel Canto» por André Gonçalves

O estilo operático que dá nome a este título do sempre difícil de categorizar Paul Weitz (American Pie, About a Boy) faz logo esperar um drama apaixonante, e também ele operático, mas Bel Canto acaba por se revelar um mero filme político de mensagem explícita, mensagem esta capaz de figurar num pacote de açúcar. A saber: a música, neste caso o canto lírico, é a grande linguagem universal capaz de unir povos de várias origens e ultimamente salvar o mundo do caos que nos encontramos. O caos aqui presente é um conflito político, que obriga forças rebeldes a fazer reféns de um evento, entre os quais a cantora de ópera mundialmente reconhecida Roxanne Coss e seus fãs de diversas nacionalidades. Ouvimos espanhol, japonês, francês, alemão... como se a maldição de Babel estivesse toda aqui focada numa sala.

Assim, entre a tentativa de alheamento da realidade através do visionamento da novela Maria la del Barrio (a ação decorre no final da década de 90), a violência sempre latente e uma vontade de aprender outras línguas, começa a nascer o amor. Não só entre um, mas dois casais. Nada como uma situação de reféns para disparar o romance entre estes, afinal.  

Sendo a música o verdadeiro motor desta narrativa, existe logo uma questão problemática à cabeça: nada contra o playback, quando bem executado. No caso de Julianne Moore, geralmente uma atriz capaz de elevar sempre o material que lhe é proposto, foi-lhe dado um presente envenenado aqui. Não se esperava que fosse cantar como uma cantora de ópera, não senhor, mas o seu jogo de lábios com a voz da Renée Fleming denuncia o truque, removendo-nos assim do filme em alturas tão cruciais (talvez problema da realização e montagem também aqui). 

Bel Canto consegue ser a pior das obras do seu género dito "humanista"- nem subtil nas suas intenções, nem substantivo ou minimamente memorável na sua pseudo-essência cinematográfica (não falta sequer o slow motion entre música de violino a "embelezar" o final), no que usa para chegar ao seu objetivo. Uma espécie de resposta nas mesmas notas de Weitz ao cinema liberal de pacotilha de Sean Penn. 

André Gonçalves



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos