Menu
RSS

 



«Que le Diable nous Emporte» (Que o Diabo nos Carregue) por Hugo Gomes

O nosso amor vem do Mundo que nascemos e daquele que integramos ao crescer”. É com esta tradução não literal das palavras proferidas por uma das personagens após testar o dito “gosto interpretativo” duma outra, o qual arranco este texto sobre a mais recente obra de Jean-Claude Brisseau. Como tal, enquadrarei esta mesma frase no sentido de que Brisseau, segundo as novas gerações, é um perverso voyeurista em busca do derradeiro orgasmo feminino. Assim se poderia resumir a sua célebre e, ao mesmo tempo infame, Trilogia Tabu (Coisas Secretas, Os Anjos Exterminadores, À Aventura), a esquecer com isto a sua faceta mais “primordial”, onde se realçava um furioso estado de espirito em prol do proletariado.

Sim, o seu cinema tornou-se mais pessoal, para muitos, de produção artesanal e cada vez mais devedora aos “pecados” da Sétima Arte face à veia teatral (a reprodução de algo torna-se numa autenticação totalitária), e esse culminar originou “raparigas de parte nenhuma”, um tentador convite ao seu leito intimo, aquele apartamento preenchido por livros, DVDs e sobretudo coabitado por fantasmas, cenário e seus pertences reciclado neste Que o Diabo nos Carregue. Brisseau não se afasta da proposta indiciada no seu subliminarmente referido filme anterior, a pessoalidade continua lá, mas em jeito de pós-rendição, o dito voyeurismo centra-se uma vez mais como a psicanalise dos seios afetivos e amorosos, e quiçá, frente aos modelos estabelecidos da sexualidade.

E por busca desta primeira e citada frase do texto, saliento o conceito que amamos, o Amor que poderá nada ser mais que uma ideia na qual agarramo-nos fielmente. Talvez por isso que com tanta facilidade são proclamadas juras de amor, o “amo-te” vulgarizado como uma salvação desesperada dos nossos espíritos aqui neste “filme do Diabo”. Assim como Clara (Anna Sigalevitch) propõe ao desconhecido, Fabrice (Fabrice Deville), um homem doente dessas mesmas paixões fabricadas, uma terapia afetiva: “foca-te em mim, nos meus olhos, nos meus seios, nas minhas coxas”. Esta substituição de uma imagem por outra, onde a representação se mantêm intacta, nos evidencia que amamos não apenas as pessoas, mas a sensação de sermos amados, glorificados e sobretudo acarinhados. Assim nascem “amores platónicos”, induzidos somente pela imagem, pela estética, pelas formas, pelo ícone sustentado pelas ideias impostas pela sociedade vivente (eis aqui o eco da frase inicial). Em contraponto, a obsessão de Fabrice, Suzy (Isabelle Prim), tenta preencher o seu vazio existencial através do apelo a forças metafisicas.

Sim, no seio de toda esta desventura sexual-amorosa, evidencia-se uma pertinente superação das ideias feitas e simultaneamente a subjugação dessas mesmas. São invocações que nos levam a conferir Que le Diable Nous Emporte como um filme teorizado. À imagem das suas últimas obras, Jean-Claude Brisseau constrói filmes-teses, e através desse corpus de estudo alicerça uma panóplia de narrativas em composição de uma mesma elucidação. Mesmo não possuindo a bravura da pessoalidade transmitida em La Fille de Nulle Part (A Rapariga de Parte Nenhuma), essa suplicação filmada (tendo em contexto o julgamento e condenação de Brisseau em 2005 e 2006 face às acusações de assédio sexual), Que Le Diable Emporte opera como um vórtice referencial. Uma reutilização que nos faz pensar e repensar a ideia de Cinema, longe do virtuosismo e sobretudo perto das fronteiras da representação e da sugestão.

É por detrás dessa perversão, esse masturbador laboratório de corpos nus e do faz-de-conta que nos arranca gargalhadas involuntárias (será?), a proposta utópica sentimental que se desdobra entre tempos, no qual deparamos uma infernal disposição de valores e ideologias, emoções e psicologias condensadas como o Diabo sabe tão bem fazer. Um filme inseguro apesar de tudo, que celebra o reencontro de velhas caras no Cinema de Brisseau (o regresso de Fabienne Babe desde De Bruit et de Fureur, de 1988), e as temáticas anexadas a este Universo tridimensional e imenso de fetichismos pessoais.

Hugo Gomes



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos