Menu
RSS

 



«Pour le réconfort» por Jorge Pereira

Nesta adaptação livre da peça O Jardim das Cerejeiras de Tchekhov, o prolífico ator francês Vincent Macaigne (A Batalha de Solferino, A Rapariga de 14 de Julho) estreia-se na realização de longas-metragens para o cinema com um trabalho cansativo a nível narrativo, sem ritmo e maçudo na apresentação dos eventos e a ultrapassar diversas vezes a linha do pretensiosismo na poesia dos contrastes de personagens que refletem a eterna luta de classes e a forma com os indivíduos são afetados pelas mudanças sociais.

Compreenda-se o contexto, a época, e os dramas sociais em que a peça cómica com tiques de farsa - que viria a ser transformada em tragédia por Stanislavski - foi executada. Traslade-se então para os nossos tempos, e para a crítica implícita que o cineasta faz à sua geração.

Macaigne, que explora o 4:3 e usa frequentemente mecanismos teatrais na sua execução, dá ao trabalho de Tchekhov uma continuidade contemporânea com redes sociais, conversas no Skype, festas de música eletrónica, etc, que acentuam a temática da globalização e da suposta aproximação de todas as pessoas no mundo, mas que ditam na realidade um afastamento pessoal e social dos indivíduos, e que aqui acentuam o cinismo e a cólera entre os herdeiros "aristocratas", que vivem no conforto deixado pelas heranças familiares, e os "novos burgueses", que os querem destronar.

A questão primordial é que os monólogos e diálogos deste Pour le réconfort caem vezes sem conta num antinomismo histérico de figurinhas que vagueiam entre o passado, presente, e futuro com contas por ajustar e onde o que parece sobressair é que há rancores inultrapassáveis e que o estado de guerra civil entre classes nunca vai se extinguir. Ah, e «a velhice é o futuro».

Tudo muito intelectual, bonito, interessante para discutir, mas tudo muito chato e sem genica nas mãos de um cineasta que ainda se perde frequentemente em vaidades de autor, como quando entre imagens garridas (discotecas, festas) e obscuras (nas madrugadas perto do riacho) faz uma espécie de legenda intelectiva de estados de espírito sem grande ambiguidade. Uma perda de tempo....


Jorge Pereira



Deixe um comentário

voltar ao topo

Secções

Contactos

Quem Somos

Segue-nos