Menu
RSS


«A bras ouverts» (De Braços Abertos) por Jorge Pereira

Depois do sucesso comercial que representou Que Mal Fiz Eu a Deus? (vem aí a sequela), o realizador Philippe de Chauveron volta a reunir no grande ecrã os atores Christian Clavier e Ary Abittan para mais um choque cultural numa típica comédia de costumes. Mas se o primeiro filme vivia dos lugares comuns mas conseguia a espaços divertir no seu tom caricatural e satírico politicamente incorreto, a fórmula mostra-se por aqui totalmente esgotada, caindo-se nos mais diversos estereótipos abusivos que revelam preconceito, racismo e, numa segunda linha, bem mais recatada, a misóginia.

Jean-Etienne Fougerole (Clavier) é um escritor inteletual (personagem provavelmente inspirada em Bernard-Henri Lévy) que num debate televisivo com um conservador é desafiado a testar o seu "humanismo" e a aceitar na sua casa os mais necessitados, algo que acata, sendo horas depois confrontado com um grupo de ciganos que quer ir viver com ele e com a esposa. Apesar de se tentar esquivar do que assumiu na TV, eventualmente ele aceita, sendo a sua mansão invadida pelo grupo, o que vai provocar uma colisão de tradições com consequências inimagináveis.

De Braços Abertos partilha alguns elementos com o recente Le Grand Partage (Bem-Vindos... Mas Não Muito), filme de 2015 que colocava os habitantes de Paris com apartamentos com determinada dimensão a terem de aceitar em casa os sem-abrigo que penavam nas ruas com o inverno muito rigoroso. Tal como nesse filme, os burgueses intelectuais de esquerda são visados e retratados como uns hipócritas que falam de barriga cheia do estado social, mas que quando lhes calha a eles contribuir individualmente, esquivam-se como o Diabo foge da cruz. E claro, sofrem de infidelidade crónica. Mas o filme de Chauveron vai muito mais longe no retrato dos que estão do outro lado. Por aqui, os Roma são "Feios, Porcos e Maus", caracterizados com os piores chavões que possam imaginar, mas essencialmente resumidos a uns porcos, ladrões, pedintes e abusadores da boa vontade alheia.

Não o vamos fazer, mas poderiamos entrar aqui numa discussão politica e social sobre o tema, como aconteceu em França (ou em Portugal recentemente, por outras razões), onde provocou grande polémica pela proximidade da sua estreia com as eleições presidênciais (muitos definem a fita como uma propaganda à Frente Nacional), e pelo teor discriminatório  e humilhante do retrato da comunidade Roma, onde até o cineasta Toni Gatlif veio a público se manifestar contra o filme, que inicialmente tinha o nome "Sivouplééééé".

Em vez disso, e apesar de considerar todo esse retrato "dégueulasse", façamos um exercício. Vamos esquecer isso e analisar a fita como Cinema per se. Isolando só isso, De Braços Abertos é paupérrimo e ausente de qualquer momento de humor inteligente, resume-se a fórmulas e lugares comuns na sua história e personagens, a uma sucessão de planos banais que cabiam em qualquer produção televisiva, e com interpretações que não passam de atores em modo automático, sketch após sketch.

Dito isto, De Braços Abertos não é só perverso ideologicamente, mas verdadeiramente reles como proposta da 7ª arte.


Jorge Pereira

 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos