Menu
RSS


«Zookeeper's Wife» (O Jardim da Esperança) por André Gonçalves

Num dos seus "tweets" recentes a propósito de O Jardim da Esperança ser o título independente que mais dinheiro faturou no primeiro terço do ano dos Estados Unidos (i.e., ultrapassou a marca dos 10 milhões de dólares), Jessica Chastain disse o seguinte aos seus seguidores: "Estão a dizer aos estúdios que as histórias sobre mulheres são importantes. Que as argumentistas e realizadoras femininas são importantes. Eles ouvem-vos."

De facto, falar mal desta adaptação de Niki Caro (a mesma de A Domadora de Baleias outro filme com animais como pano de fundo) de uma história verídica sobre uma mulher que viria a salvar 300 judeus do Holocausto é à partida duplamente delicado - de um lado temos a comunidade judaica, sempre sensível, de outro temos a igualmente sensível comunidade feminista, na qual até me insiro. Mas se houve lição que o espectador mais atento terá apanhado por esta altura (e se não apanhou, haverá também o último Sean Penn para experimentar...), é que há todo um inferno de filmes repletos das melhores intenções. O problema é passar essas boas intenções, essas histórias e heróis "maiores que a vida" para o ecrã com algum "panache". Que é algo que O Jardim da Esperança não tem de todo, mesmo com outro esforço particularmente louvável de Chastain em tentar dar a volta (e sotaque) a uma personagem canonizável que não consegue existir para além dos trilhos questionáveis que lhe são indicados pelo argumento.

Com um potencial quer para fazer adormecer ou irritar o espectador mais alérgico ao formato mais convencional do "biopic", nem sequer o facto de termos a raridade de ser uma mulher a comandar o destino de centenas de pessoas permite a esta obra adquirir um carácter diferenciador. O que resta desta fogueira? Muito pouco, certamente nada que choque, que desfibrilhe. Há por ali uma sequência interessante perdida, se óbvia, onde a conquista do macho "vilão" da mulher "heroína" mimica o acasalamento de dois animais. Perdida, pois, parece pertencer a outro filme... é de facto uma das raras ocasiões onde a expectativa de ver algo remotamente subversivo sobre um dos maiores massacres da história recente da Humanidade se vê cumprida, numa obra que é definitivamente uma das desilusões do ano.

P.S. - No que toca ao cinema feminista a vaguear pelo Holocausto, e após olhar com horror para um artigo de uma fonte respeitável a clamar este o "primeiro filme feminista sobre o tema", lembrei-me logo de duas grandes obras capazes de sair do didatismo fácil e das boas intenções: Livro Negro de Paul Verhoeven e Lore de Cate Shortland (uma mulher a realizar que também coassina o argumento, helás!)

O melhor: a resistência de Jessica Chastain.

O pior: a insistência em ser pedestre (académico torna-se um elogio a certos pontos), bem-comportado à enésima casa, e ultimamente aborrecido.

André Gonçalves



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos