Menu
RSS


«Ma Loute» por Hugo Gomes

Bruno Dumont é o senhor do burlesco, a pitoresca caricatura que adquire a absoluta forma cinematográfica, e conseguiu transmitir tal aura em Petit Quinquin [ler crítica], uma minissérie que tentou a sua sorte como longa-metragem (uma longa, mas relevante metragem da sua carreira). Ma Loute, por outro lado, segue a passos essa marca estabelecida, remetendo-nos a um enredo da Belle Epoque, onde o início do século parecia revelar-se num magnifico quadro de aristocracias mecanizadas, porém, iludidas a uma miragem. E essa mesmo, resultando sob ecos de Revolução Francesa, o poço cada vez mais fundo que separa classes. Tema que persegue o espírito "gaulês", os franceses teimam em focar nas suas fitas a divergência recorrente no Cinema e Ma Loute não é exceção. Só que, vejamos, a linguagem é simplesmente outra.

Em 1928, Louise Brookes, atriz norte-americana, chegaria à Europa para se concentrar num novo rumo da sua carreira. Entre os filmes que desempenhou no Velho Continente, destaca-se Pandora's Box (A Boceta de Pandora), onde interpretava uma sedutora, os primórdios da crescente imagem da femme fatale. A sua arma de sedução era uma, o seu método de desempenho, algo vincado no realismo dos atos que entra em contraste com o drama teatral dos atores europeus da altura. E foi nesse contraste que soube-se criar uma nova linguagem narrativa, a linguagem derivada da interpretação. Anos mais tarde, Federico Fellini concentrou em atribuir um tom quase alienígena para a burguesa pseudo-cultural representada em La Dolce Vita, seres estranhos que se destacavam do resto do Mundo em constante decadência pelos seus respetivos e gravitacionais egos que os isolavam às suas fantasias anteriores.

Em Ma Loute, a tal linguagem narrativa encontra-se perfeitamente estabelecida nesta diferença de classes, nota-se o "underacting" dos camponeses deste vilarejo costeiro, e o "overacting" da aristocracia que eventualmente surge em cena, com Fabrice Luchini e Juliette Binoche à cabeça. O ridículo das sequências protagonizadas servem, não como um veiculo de comédia, mas como uma reflexão de um grupo em vias de extinguir, portanto perdoa-se os veios oníricos e a paradoxismo que se escuta como brisa marítima neste filme em se resiste à sua memória. A memória de um cinema sem medo da reprovação do espectador, um cinema que ergue a visão do seu autor em prol de uma mensagem, do que providenciar um género, neste caso, como fora caído em erro, a comédia como um circulo fechado. Não, Ma Loute espelha uma diversidade de tons que desaguam para um exercício de alienação interpretativa, aliás o foco dessa crítica é tão evidente, a burguesia iluminista é somente uma espécie extinta, só que ainda não haviam percebido tal desaparecimento.

Contudo, nem tudo é perfeito. Dumont tende em cansar com o seu registo. Os tons perdem fôlego e a partir daí é o óbvio que dialoga cada vez mais alto. É então que, sem conseguir segurar a tragicomédia de gostos nos carris, Ma Loute verga-se pela caricatura fácil, principalmente no seu grande comic relief, que à imagem do anterior Petit Quinquin, é uma homenagem aos clowns que perpetuam na nossa memória cinéfila. Se em Quinquin era a alusão dos Irmãos Marx a resultar na autoridade, em Ma Loute são os clássicos Laurel e Hardy sob iguais causas. São momentos deliciosos, envolvidos num humor de camadas que vai desde o godardiano acaso de um Pierrot Le Fou, até ao inglês non sense e absolutamente metafórico dos Monty Python.

Sim, é um doloroso sorriso que nos faz esquecer por momentos que a tragédia vive em nós, ou será antes, a tragédia num novo tipo de comédia? 

Hugo Gomes



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos