Menu
RSS


«The Idol» (O Ídolo) por Jorge Pereira

Depois de O Paraíso, Agora! e Omar, dois filmes intensos que seguem algumas personagens marcadas pela situação política na Palestina, Hany Abu-Assad volta à mesma temática, mas numa forma mais ligeira e orientada em se transformar num crowd pleaser para as massas.

O Ídolo (The Idol), um drama cinebiográfico sobre um residente da Faixa de Gaza, Mohammed Assaf, que ganhou notoriedade após conquistar o Arab Idol  (O "Ídolos" na sua versão Árabe) em 2013, começa em 2005, quando o jovem, juntamente com a irmã e mais dois amigos, começam a sonhar em cantar, desencantando alguns esquemas que os põem em apuros. No processo, a irmã revela ter um problema nos rins, cabendo ao mano começar a cantar em todas as oportunidades possíveis de forma a juntar dinheiro para o tratamento. Daí o filme mostra a evolução do pequeno cantor, o qual se tornou um símbolo de um povo marcado por constantes derrotas (militares, políticas, humanas) e que a passos largos caminha para a extinção.

No meio disto tudo o que surpreende por aqui é que Abu-Assad mostra-se menos mordaz, mais recatado, e profundamente esquemático na forma como nos entrega a fita. Muitos defendem que esta maneira mais comercial e menos polémica levará mais espectadores a terem a percepção da vergonha civilizacional que se passa por lá, mas a verdade é que ao transformar as dramáticas constrições de um povo em humor escapista faz a mensagem perder-se pelo meio.

Exemplo disso é a primeira prestação do cantor via Skype para o programa. Se fica inerente que não o pode fazer ao vivo porque as pessoas em Gaza vivem numa situação de Apartheid encapotado, onde os recursos mais básicos (água, eletricidade, mobilidade) dependem de outro território, o resultado final da cena leva apenas quem assiste a focar-se num episódio caricato de Mohammed e não de um problema global de milhares de outros que vivem com ele.

Outro exemplo da pouca incisão do argumento é a forma como o realizador desfoca a ação dos grupos religiosos e políticos palestinos dominantes em Gaza e que caracterizam a música como um trabalho do Diabo, algo que foi exposto de forma bem mais demarcada numa pérola do cinema documental chamada Sling Shot Hip Hop, e que acompanha Rappers na Palestina que, para além de terem de lidar com Israel devido ao conteudo das letras, temem a ação de organizações palestinas como o Hamas que os vê como porta-vozes de um estilo musical propagandista norte-americano.

Mas o filme tem ainda outro problema. Esta espécie de Nasceu uma Estrela na Palestina, apesar de ter fulgor, ritmo e verdadeiras emoções quando conta a infância e a adolescência do rapaz em Gaza, torna-se na mais banal e superficial das experiências quando atravessa a fronteira para o Egipto e começam as provas no programa televisivo.

Por tal, e apesar de Abu-Assad ter sempre a noção de ritmo e nunca cair em exageros melodramáticos, nunca se consegue ir mais longe que uma amostra tímida da história de um rapaz e do povo que vibrou com ele.

O Melhor: Ser um Crowd Pleaser sem cair na manipulação básica
O Pior: Demasiado morno e pouco incisivo


Jorge Pereira 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos