Menu
RSS


«En Man som heter Ove» (Um Homem Chamado Ove) por Duarte Mata

Não se percebe o entusiasmo que a crítica norte-americana (e os membros da Academia que rejeitaram a nomeação ao vencedor quase certo, Elle, por isto) tiveram a propósito da comédia-dramática sueca Um Homem Chamado Ove, menos original e aproveitada do que à primeira vista poderia parecer. A estrutura narrativa assemelha-se bastante à de Do Céu Caiu uma Estrela, o clássico de Frank Capra onde um homem tinha a sua tentativa de suicídio (aqui várias, todas elas frustradas e recheadas com uma deliciosa porção de humor negro) adiada por uma viagem ao passado, feita epifania espiritual sobre a importância do altruísmo nos tempos da Depressão e Segunda Guerra Mundial.

Ora, para além de Um Homem… não ter o eventual contexto económico e cultural que conferia ao filme anterior dramatismo e compadecimento suficientes, Hannes Holm não é um realizador tão delicado quanto o italo-americano, efetuando a maioria de cada cena no triste desenrasco cinematográfico do campo-contracampo, acerbo e formatado. Talvez o que lhe interesse mesmo seja o trabalho de atores (e o protagonista, Rolf Lassgård, faz o melhor que se poderia pedir com este idoso bisonho e antiquado, quase um primo sueco da personagem de Clint Eastwood no Gran Torino), mas, por outro lado, boa parte do elenco secundário encontra-se desaproveitado e preso às instruções do argumento restringido e retalhado em flashbacks chorosos que querem proclamar esta obra como o Morangos Silvestres desta geração.

E depois falha redondamente naquele final, com um moralismo obsoleto (“aproveita a vida, estúpido!”) e de puxar à lágrima que está longe de compensar a inanidade fílmica com que é construída e que lhe dá um certo risco em se querer fazer um remake pelos estúdios americanos. Já vimos este filme e bem contado. E a nomeação ao Óscar de caraterização só mostra que, mais uma vez, a Academia não sabia o que andava a fazer este ano.

O melhor: Rolf Lassgård e o humor negro.

O pior: O pouco fulgor da realização e a permanente sensação de que já vimos este filme melhor contado.

Duarte Mata



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos