Menu
RSS


«iBoy» por Jorge Pereira

As tecnologia e o medo dela, especialmente associado ao armamento (nuclear, por exemplo), sempre serviu para criar heróis e vilões. iBoy, primeiro filme britânico totalmente financiado pela Netflix, não foge à regra, embora a plataforma de streaming talvez seguisse um melhor caminho se tivesse transformado o conceito numa série.

Tom (Bill Milner) é um adolescente tímido e solitário com um fraquinho pela sua amiga Lucy (Maisie Williams). Quando ela é sexualmente agredida por um grupo de rufias, e ele é apanhado no meio do caos, pedaços do seu smartphone ficam alojados no cérebro, acordando depois no hospital e com superpoderes - como telepaticamente entrar em qualquer rede digital. Agora como "iBoy", ele sai para as ruas de forma incógnita para tentar caçar os responsáveis pelo ataque a Lucy, acabando numa luta desenfreada com um bando de traficantes que assola a área.

Se tudo isto podia gerar uma combinação curiosa entre os filmes de heróis improváveis e o realismo dos gangues juvenis britânicos, a verdade é que o filme prefere uma abordagem que o faz ficar bem longe de outras misturas explosivas como os que vimos em Ets in da Bairro ou na série Misfits - produtos quais possuiam uma forte dose de humor, indespensável para lidar com premissas absurdas.

Pelo contrário, Iboy - baseado no livro de mesmo nome de Kevin Brooks - leva-se demasiado a sério e erradamente está demasiado seguro que o espectador hoje em dia aceita qualquer tipo de superpoderes sem procurar qualquer lógica ou sentido. Assumido-se a certo ponto como um filme de pura vingança, Iboy fraqueja então na falta de uma verdadeira visceralidade ou crueza, caindo no mero filme de «mauzões» para adolescente ver.

Para piorar, a partir de certo ponto, os clichés amontoam-se, e a fita apresenta uma enorme fraqueza nos diálogos e nas ideias para onde quer seguir. Os própios vilões revelam-se demasiado fracos, ficando apenas na retina do espectador um visual frenético com tiques de videojogo, uma montagem carregada a doses de música tecno, e atores que cumprem nos minimos os seus papéis sem nunca deslumbrar.

O melhor: Tem alguma coragem no início
O pior: A total ausência de humor e uma seriedade e crueza limitada dado o target do filme (adolescentes)


Jorge Pereira



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos