Menu
RSS


«Bone Tomahawk» (A Desaparecida, o Aleijado e os Trogloditas) por Duarte Mata

O western, enquanto género, está morto. Foi Clint Eastwood quem assinou o epitáfio com a campa ao pôr-do-sol com que encerrava Imperdoável. Tudo o que se lhe seguiu, de Jarmusch a Tarantino, passando pelos Coen, foram meros exercícios, pequenas variações do tema com o propósito de acrescer marcas pessoais dos respetivos cineastas que os realizavam, desconstruindo e reconstruindo o Mito do Velho Oeste de formas anacrónicas muito sui generis.

Bone Tomahawk ainda não é a exceção à regra. O título português (A Desaparecida, o Aleijado e os Trogloditas) é já bastante denunciante da intriga: uma mulher é raptada por um grupo de canibais, sendo a cavalaria que a segue constituída por apenas quatro cowboys, cada um com o seu feitio particular. Gradualmente, a busca pelos longos desertos (registados numa fotografia acastanhada de Benji Bakshi) revela-se uma jornada suja, livre de romantismos e com um realismo cru no tratamento da violência.

Comecemos por dizer que não nos lembramos de um exercício “westernizado” onde aquela que é a marca cinematográfica mais caraterística do género, o plano americano, esteja tão rejeitado (há-o, sim, mas é essencialmente proveniente de planos subjetivos de personagens sentadas em saloons ou então em cenas onde o coldre não está envolvido, como aquela em que o xerife corta pão), para prevalecerem planos de meio e grande conjunto, como se fosse o cenário a definir as intenções das suas personagens e não, propriamente o ângulo da câmara face às mesmas. No entanto, se tal vos não parece possível e é de eixos que querem que falemos, reiteramos o que John Ford dizia “Não faço picados nem contrapicados porque não sou uma ave nem uma serpente” e contrapomos isso ao homicídio bárbaro presente no primeiro plano, registado num contrapicado bem definido. Dito de forma sucinta, A Desaparecida, o Aleijado e os Trogloditas é um filme sorrateiramente visto por abutres e cascavéis.

Não há dúvidas de que o estreante S. Craig Zahler demonstra lidar bem com o tempo e espaço, filmando uma cavalgada pelo deserto como uma marcha fúnebre, num suspense mórbido bem delineado e com o tempo de cada plano conveniente. A ausência de referências que constitui este seu trabalho (tem-se falado de Tarantino, mas a sua selvajaria ainda não atingiu este estado tribal) leva a um filme de fantasmas não atormentado pelos espetros do cinema que passou. É esse esvaziamento que nos percorre a mente durante a visualização, tal qual uma aragem no deserto que tanto pode ser série B, como terror, como thriller, mas nunca explicitado ao espetador. Se o western já não passa de um exercício, este é mais curioso, enigmático e competente do que ao que se esperaria numa primeira obra a aventurar-se por ele.

O melhor: A ausência de referências, a abordagem crua ao género western.

O pior: Alguma falta de ambição e desafios nesta jornada.

Duarte Mata



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos