Menu
RSS


«Toni Erdmann» por Paulo Portugal

Maren Ade tem um saco de próteses falsas e fantasias que desembrulha, interliga e insufla em Toni Erdmann, o seu terceiro filme, transformando-o naquele que é um dos momentos centrais do cinema  europeu e, claramente, um dos filmes (senão o filme) do ano. Um registo que foge à regra, ainda que talvez não estranho a um Miguel Gomes. De resto, ela elogia-o e co-produziu os seus últimos filmes.

A alemã Maren Ade foi uma das estreantes em Cannes este ano com o provocador Toni Erdmann, seguramente um dos filmes mais refrescantes da safra vintage da Seleção Oficial. Contudo, bem o sabemos, esta história familiar sobre um pai que obriga a filha a sair da caixa saiu da Croisette de mãos a abanar, pelo júri liderado por George Miller; exeção feita ao júri FIPRESCI que lhe atribuiu o prémio respetivo, isto para além dos júris das diversas revistas de trade que o votaram como preferido. Também já se sabe que a justiça foi cumprida nos recente European Film Awards, em que Toni fez o pleno das suas cinco nomeações, consagrando-o Filme Europeu do Ano, a que se juntou o prémio de realização para Maren, acumulando com o de argumento, para além da interpretação masculina para Peter Simonischek e feminina para Sandra Huller.

A sua força reside precisamente na rejeição (pelo menos à superfície) de análises intelectuais profundas e na opção de uma abordagem ligeira (também só à superfície). Como o contagiante e insuperável momento light proporcionado por Sandra Huller quando se entrega a uma interpretação do tema de Whitney Houston Greatest Love Of All, a arrancar o aplauso espontâneo da sessão de estreia mundial em Cannes. Sim, o momento que ocupa o nosso zénite emocional do ano.

É precisamente neste imprevisível desconforto que sabe tão bem, nesta comédia com uma piscadela de olho ao drama inconfessado, que reside, afinal de contas, a enorme força de Toni Erdmann, o tal filme que nos embala ao longo de quase três horas sem que demos por isso. Ora é também esse o cinema simples, desempoeirado e inteligente de Maren Ade, aquele que nos temos tanta dificuldade em fazer, que toca quase todas as notas certas. Lembram-se do naturalista e luminoso Todos os Outros, que arrebataria em 2009 o Prémio do Júri em Berlim? Para superar isso nada como uma naked party. Sim, também temos uma. Assim nos emociona, comove e diverte. E quando recebemos tanta variedade de sensações ao longo de tanto tempo, é sinal que estamos em presença de algo único.

Este é o filme sobre um personagem, sobre Toni Erdmann, a invenção em que se refugia o reformado professor de música Winfried (Simonischek), optando por mudar algo na sua vida depois de ver partir do mundo dos vivos o seu velho. Ao procurar o sentido da vida tenta que a sua filha, a atinadinha Ines (Huller), largue o telemóvel e a atitude executiva e artificial e acorde para a vida. Intromete-se assim na sua carreira profissional assumindo-se como Toni Erdmann, adido de um embaixador e coach, provocando-lhe o embaraço e a vergonha. Temos portanto um filme sobre máscaras, sejam elas quais forem, a multiplicarem as narrativas e a subverterem os códigos. Assim pretende, e consegue, Erdmann destruir todas essas barreiras, como que a piscar-nos o olhos àquilo que todos gostaríamos de ter lata para fazer. Ainda assim, aqui fica a dica.

Maren Ade faz aqui um exame bastante incisivo à alma conservadora, ao mundo artificial da bolha insuflada pelo credo do eterno crescimento. Como se colocasse um glitch, uma centelha letal de humor corrosivo nessa espécie de Death Star corporativo. E é ao vê-la rebentar que teremos o mais delicioso momento de humor. Pois, é esse o greatest gift of all, que nos chega com a inesperada chancela de Whitney Houston. Bem feito.

Paulo Portugal



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos