Menu
RSS


«Spectre» por Hugo Gomes

 

Para sermos sinceros ninguém pedia outro episódio da dinastia de Daniel Craig como o mais célebre dos agentes secretos. Skyfall, por si, já encerrava este ciclo "bondiano", mas visto que o legado teria que ser continuado (os direitos devem ser revigorados) e o ator não estava a fim de deixar a sua herança, Spectre surge-nos como mais um evento cinematográfico que a personagem criada inicialmente por Ian Fleming convertera na dita indústria. Mas a questão é percebermos o quanto relevante pode se tornar este novo capítulo. Nesse sentido compreendemos que, quando mais "escavamos" sobre o passado de James Bond e cometamos o seu existencialismo como também fragilidade, injetado desde 2006 com influências óbvias a uma outra importante saga de ação (Bourne), a figura imortalizada parece perder a sua pureza como o mais clássico dos super-heróis para dar lugar à transparência ... e à "humanidade".

Novamente sob a direção de Sam Mendes, que entregou a personagem ao seu formato mais elegante e sério (Skyfall), o filme arranca com as plenas comemorações do Dia de los Muertos, no México, um evento que soa como banalidade no cinema de entretenimento, mas que adquire aqui, graças a um ambicioso plano-sequência, uma dimensão de glamour e de excentricidades nunca vistas. Esta é a missão "marginalizada" de James Bond que vai ao encontro do seu passado (outra vez!), enquanto todas as pistas o levam no trilho de uma das mais poderosas organizações globais de cariz antagonista, SPECTRE (Special Executive for Counter-intelligence, Terrorism, Revenge and Extortion). Neste preciso momento os "bondofílos" salivam, até porque esta designação representa a "casa-mãe" de todos os megalómanos vilões do franchise, sendo que a eventualidade de "easters eggs" é acima da probabilidade.

Mas, mais interessante que toda esta peregrinação de vingança pessoal levado a cabo por 007, são os bastidores da MI6 levaram um tamanho "arrombo" após os eventos decorridos em Skyfall. Aqui a palavra de ordem é segurança, que segundo o muito politico C (Andrew Scott), rima com vigilância e como tal a perspicuidade total de todas as agências governamentais e de inteligência similares. É a extinção da era da espionagem que o cinema adora romantizar, já "tocada" no êxito de 2012, onde um burocrático M (agora interpretado por Ralph Fiennes) tenta travá-lo com as suas existentes armas.

Esta guerra fora de terreno poderia servir de pano para mais mangas, mas a questão fica, com quase três horas de filme não haveria espaço para explorar tais sugestões? A resposta é clara e evidente à vista de todos, até porque o cinema de entretenimento globalizado, que anseia sobretudo por narrativas rápidas e personagens instintivas, tem o cuidado de ferir susceptibilidades ao menor número de público, e este jogo de "politiquices" e alusões à NSA, aqui sugerido, não tem lugar para conotações aprofundadas. Mesmo que um franchise com cerca de 50 anos traga consigo um poderoso e respeitado selo, politicas governamentais não entra no seu cardápio até porque a saga sempre fora seguida por exemplos eminentes de maniqueismo.

Mas fora desse "podia ser" de Spectre, o que resta nesta fita é todo um conjunto misto de automatismo (não esquecer a tradição dos créditos iniciados, desta vez anexada a uma música completamente anti-climática) e genialidade digna do espectáculo "bondiano", enquanto as "bond girls" (mesmo com a mais velha do lote, Monica Bellucci) e os vilões não trazem consigo qualquer indicio de inovação, é na realização de Sam Mendes que concentramos um especial toque para com uma certa linguagem autoral. Tal como acontecera com Skyfall, o realizador possui um apetite pela luz e pelas sombras, um pretensiosismo a nível técnico e estético que aufere ao filme toda uma delicadeza visual e acima de tudo uma tentativa de devolução de James Bond às sinistralidade.

Contudo, e algo que Daniel Craig havia salientado nas suas recentes, e controversas, entrevistas, é o facto de 007 ainda expor o pouco orgânico que se faz no cinema de acção, isto, num tempo em que o CGI resultou na solução para todo os problemas. Nesse aspecto Spectre continua a surpreender pelas suas cargas calóricas de adrenalina, mas nem tudo tem que funcionar em prol disso. Será desta que damos por encerrado a pasta de Craig como o agente "00", ou iremos adiar o final mais uma vez?

O melhor - o plano de sequência inicial e a elegância trazida por Sam Mendes.
O pior - existe uma tendência de replicar o efeito de Skyfall, porém, o automatismo tomou conta deste episódio.


Hugo Gomes

 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos