Menu
RSS

 



«The Immigrant» (A Emigrante) por Hugo Gomes

Marion Cotillard é uma "alien", não no sentido literal da palavra, mas em termos figurativos. Ela é uma estranha no Novo Mundo, guiada por promessas de prosperidade e de novas oportunidades. Porém, a terra dessas tais promessas revela-se desde o primeiro momento como um poço de enganos, um comparado inferno em que cada individuo torna-se no próprio Diabo, entregando falsas juras e entrando em jogos mal amparados que "crucificam" vidas e as condenam a um labiríntico limbo. O que viveu a personagem de Cotillard é um espelho vivente de milhões de "cegos" que partiram desesperadamente nessa demanda e cederam aos recantos mais negros do oportunismo humano, mas no filme de James Gray o foco é ligeiramente diferente, tal como o tom com que este debruça a miséria social.

A Emigrante é, até à data, a mais ambiciosa das obras do referido realizador, um homem estimado por muitos mas indiferente para outros ( Gray não tem fervorosas legiões de ódio). Na verdade, esta é uma falsa epopeia que é decepada por moldes narrativamente classicistas e é sobre esse tom académico que nos pavoneia um enredo tecnicamente sedutor e com prestações cuidads por parte do seu elenco. O resultado, contudo, é um filme isento de impacto e, pior, de frontalidade.

Gray, em conjunto com Ric Menello, escreveu uma história cenicamente "míope" recheada de personagens ambíguas condenadas a justificar os seus atos para que não haja ódios por parte do público. Em consequência disso, sente-se uma necessidade de antagonismo. O maniqueísmo é deixado de lado e abalroado astutamente pelo enredo mas - por conseguinte - surge outra necessidade: a de um conflito interno, talvez uma evocação existencialista por parte da personagem de Cotillard e dos seus trilhos duvidosos. Mas nem isso chegamos a saborear.

A prova dessas "ausências" é que, com a chegada do final, abruptamente feliz, parece que todo o caminho da protagonista até ao eventual desfecho decorreu com a menor das preocupações, o menor esforço e veracidade. O resultado é uma novelesca obra que recusa inicialmente ser aquilo que verdadeiramente é: um filme tecnicamente irrepreensível (a fotografia de tons pálidos alude a uma fotogenia antiga e obsoleta como a do O Padrinho de Coppola) mas dramaticamente é um filme gasto e narrativamente formatado.

Enquanto isso, as prestações são de inegável qualidade. Joaquim Phoenix afirma-se mais uma vez como um dos melhores da sua geração e Marion Cotillard transmite a credibilidade que nas mãos erradas soaria a falso. Por fim, Jeremy Renner completao trio de forma competente, mas como uma figura dispensável, inútil para a narrativa e sem indícios de interesse na sua exploração por parte do realizador e argumentista.

Concluindo e resumindo, A Emigrante é um espetro de um grande filme, valorizado pela ideia e pelos seus riscos de produção, mas "desmembrado" por um pretensiosismo anorético, uma evidencia já comum na carreira de James Gray. Enfim, mais uma oportunidade desperdiçada!

O melhor - O elenco e a fotogenia
O pior - ausência de frontalidade e de identidade própria


Hugo Gomes



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos