Menu
RSS

 



«Like Father, Like Son» (Tal Pai, Tal Filho) por Roni Nunes

Um filme de Hirokazu Koreeda é sempre garantia de uma experiência agradável para os sentidos. Desta vez ele cruza o destino de duas famílias de estatutos muito diferentes através de uma troca de bebés na maternidade. O erro é descoberto quando os meninos já têm seis anos, colocando os pais em dificuldades que não são difíceis de imaginar.

De um lado está Keita, cujo pai, Ryota (Masaharu Fukuyama), é um executivo bem-sucedido e cuja rigidez contrasta com a da mãe, Midori (Machiko Ono) uma dona-de-casa suave e afetuosa. Já os pais de Ryusei, Yukari Saiki (Yoko Maki) e Yudai Saiki (Franky Lily), são de classe média baixa (ele tem uma pequena loja), onde a mulher se sobressai como autoritária e ele como um bon vivant espontâneo.

Os bebés trocados servem para cruzar dois extratos sociais mas, sobretudo, duas formas de encarar a vida: a simplicidade e a vivacidade do pai pobre, por exemplo, contrastam com a severidade e a ação disciplinadora do rico – várias vezes confrontado com a sua paternidade ausente. Novamente a colocar crianças a lidar com os disparates dos adultos, um tema habitual do cineasta, o foco vai, no entanto, recaindo sobre Ryota, a quem caberá os maiores dilemas e transformações ao longo da história.

Apesar da classe e da poesia habitual, desta vez Koreeda foi atraiçoado pelos rumos que deu ao enredo a partir da metade, criando situações incoerentes com a personalidade dos adultos (com exceção de Ryota) e resultando numa cena, a da fotografia à beira do rio, que, só para um padrão de frieza nipónico, não pareça desprovida de sentido. Mesmo assim, a emotividade subtil e as maravilhas que o cineasta faz com a linguagem cinematográfica o colocam sempre num patamar elevado. Os direitos da obra já foram comprados em Hollywood, onde ela deve ser arruinada de vez, só para não variar.


Roni Nunes



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos