Menu
RSS


«Tree of Life» (A Árvore da Vida) por André Gonçalves

tree.jpg

A Árvore da Vida é a história de uma família do Midwest americano nos anos 50. O filme acompanha o crescimento do filho mais velho, Jack, da inocência da infância até à desilusão da vida adulta, na tentativa de se conciliar na relação complicada com o seu pai (Brad Pitt). 

Jack (papel desempenhado por Sean Penn em adulto) vê-se como uma alma perdida no mundo moderno, procurando respostas para as origens e sentido da vida, enquanto questiona a existência da fé. 

É difícil escrever quando o que vemos suplanta tudo o que possa ser dito, e o que precisamos é da alma de um poeta no seu auge, e não de um crítico semi-profissional. É assim “A Árvore da Vida”, um drama familiar extrapolado para drama existencial, e quinta longa metragem de Terrence Malick em 40 anos de carreira. 

Brincava-se aqui na redacção virtual sobre o cinema de Malick ser a 4D – quatro dimensões. Não é um pensamento inconsequente. E se há filme do realizador em que mais salta à vista uma quarta dimensão que transcenda espaço e tempo, e a barreira temporal e física da existência humana, para nos revelar uma existência universal. As comparações com “2001” de Stanley Kubrick serão inevitáveis e totalmente  merecidas. Só que em vez de uma odisseia no espaço, temos uma odisseia familiar, e por esse motivo, “A Árvore da Vida” parece ainda mais humano, mais próximo, mais terreno.

Um projecto sobre a criação e existência de tudo à nossa volta usando uma família como microcosmos, seria potencialmente excessivo e catastrófico para qualquer outro realizador da actualidade – incluindo porventura Spielbergs, Scorseses e afins...   

Malick continua a filmar o nosso mundo – e aqui também o Universo – como ninguém, e com a ajuda do génio da fotografia Emmanuel Lubezki cria aqui algumas das imagens mais hipnotizantes desde... bem, desde “O Novo Mundo”, o seu último filme. O seu estilo permanece tão inimitável como intemporal. O transe proporcionado aqui, sem dúvida potenciado por uma noite sem dormir, é verdadeiramente inesquecível. 

No que toca aos actores, eles cumprem plenamente as suas tarefas como receptáculos da poesia muito visual Malickiana, mas há que dar destaque aos estreantes Jessica Chastain e Hunter McCraken. Vão ser grandes. Ou não. De qualquer das maneiras, as suas imagens já ficaram cravadas na história do cinema contemporâneo, à imagem do que tinha acontecido à jovem Linda Manz em “Dias do Paraíso”. 

“A Árvore da Vida” é, em suma, mais um belíssimo e mágico poema visual de Terrence Malick, que assim soma mais uma obra-prima duradoura ao seu currículo. Aqueles últimos minutos finais vão por si só merecer multiplos visionamentos e posteriores debates. O silêncio arrebatador com que assistimos aos créditos finais é por si só sinal de que assistimos a algo superior a nós, algo cósmico, metafísico, espiritual. E se precisamos de quase uma década para ver um filme assim, que destrona facilmente tudo o que tenhamos visto em meses, então seja. *  
 
 

*Felizmente (esperemos), tudo indica que o seu próximo filme/poema vai ser muito mais cedo que o que qualquer um esperaria, uma vez que se encontra já em fase de pós-produção e com estreia agendada para o próximo ano.    

O Melhor: A audácia de ideias. Assistir a um cineasta no topo dos seus poderes e sem quaisquer medos de cair no ridículo. 

O Pior: As luzes eventualmente acenderem-se. E termos que regressar à realidade, e digerir o que vimos numa mera crítica. 
 
A Base: “A Árvore da Vida” é, em suma, mais um belíssimo e mágico poema visual de Terrence Malick, que assim soma mais uma obra-prima duradoura ao seu currículo. 
 

 
 André Gonçalves
 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos