Menu
RSS


Doclisboa: a arte da vadiagem

Quem deambulava pelos caminhos do rock indie dos anos 80 há de lembrar-se de uma energética mistura de guitarras com eletrónica chamada "Infected". Possuía sardónicas (e rudes) referências à SIDA, um dos temas do momento, vaticinando: "In-fec-ted me with your looooove..."

Matt Johnson, o homem por trás dos The The, vendeu muitos álbuns na altura, arranjou polémicas com a sua militância política ("Sweet Bird of Truth", por exemplo, era um violento ataque à política externa americana em plena altura do bombardeio à Líbia e acabou "engavetada" pela Epic até a confusão passar) e fez tours mundiais. A meio do filme uma fã norueguesa lhe dirá que o álbum, de 1986, "mudou a sua vida". É sobre um momento da sua vida que se desenrola The Inertia Variations, que tem sessão no âmbito do Doclisboa dia 27, no cinema São Jorge.

Continuando com "Infected": "I've got to much energy to switch off my mind... but not enough to get myself organized". Palavras proféticas: em algum momento a "energia" para desligar a mente começou a operar a pleno. Depois de "Mind Bomb", de 1989, o desinteresse progressivo de Johnson pela carreira ganhou novos contornos com um acontecimento trágico – a perda repentina do irmão mais novo em 1988. Ele diz aí ter "perdido a fé no futuro". De qualquer forma, os The The lançaram mais dois álbuns nos anos 90 – um deles de covers de Hank Williams – mais um no ano 2000.

A longa aprendizagem para não fazer nada

The Inertia Variations trata do processo de criação (ou falta dela) ao longo de muitos anos. Há um guru inspirador, o poeta John Tottenham, que além do poema de onde o título do filme foi extraído costuma atualizar o seu blog com inspiradores conselhos para enaltecer a arte da vadiagem. Estes incluem momentos da sabedoria como "Born winner, self-made loser", "A long hard lazy apprenticeship of doing nothing", "Chair, Sofa and Bed"... e por aí adiante.

Johnson orgulha-se da capacidade de deitar no sofá e olhar para o teto horas a fio. Mas o filme não é tão bem-humorado quanto parece: o músico, que nos The The chegava a tocar todos os instrumentos numa música, não está totalmente satisfeito com longos períodos onde não faz rigorosamente nada. Caso contrário, não haveria filme.

O lamentável estado da democracia ocidental

O projeto, realizado pela ex-mulher do artista, Johanna Saint Michaels, acompanha-o no momento de criação de uma rádio alternativa. "É irónico", diz ele, "agora as pessoas não acreditam nos meios de comunicação social do Ocidente e buscam notícias verdadeiras em canais da Rússia!". A Cineola tem esse papel: boas bandas tocam ao vivo, poemas são lidos e, claro, muitos depoimentos de ouvintes arengam com relação ao lamentável estado da democracia atual.

De resto Johnson continua a escrever canções que nunca termina, letras que nunca ganham uma música. Perambula por Londres, reclama da cidade estar engolida pela especulação imobiliária (o filme não mostra, mas ele tornou-se ativista pela preservação do East End), desculpa-se junto com o realizador de telediscos Tim Pope pelas "mulheres-objeto" dos seus vídeos dos 80s e, sombriamente, o filme acaba por apanhar a morte de outro irmão de Johnson – com quem ele trabalhava no momento e que foi responsável pela arte das capas dos seus discos.

No "mundo cá fora" os The The ressurgiram e anunciaram dois concertos para o próximo ano. Um novo álbum deve sair, assim como uma série de material ligados à Cineola: ao que parece a inércia, nas suas infinitas variações, começa a perder terreno.



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos