Menu
RSS


Jane Campion - Retrato de uma jovem realizadora


Jane Campion © Patrick Swirc / modds agency

Para o mundo, ficará conhecida como a primeira (e até hoje, única) mulher a conquistar uma Palma de Ouro em Cannes. Mas há uma história antes do sucesso internacional de O Piano (que lhe valeu também uma das raras nomeações ao Oscar de Realização para uma mulher) - uma história à qual o Cortex - Festival de Curtas-Metragens de Sintra quis prestar atenção, ao exibir quarto das suas curtas-metragens realizadas ainda quando estava na escola.

Quisemos também prestar a devida homenagem com uma breve retrospetiva escrita a este percurso "escolar", que por sua vez fez escola, e ajudou a pôr a Nova Zelândia no mapa cinematográfico, muito antes desta ser reconhecida no ecrã como a terra dos anões, elfos e outros seres afins.

Uma artista antropóloga

Nascida a 30 de abril de 1954, filha de um diretor de um teatro e de uma atriz, Jane Campion foi criada em Wellington, na Nova Zelândia, juntamente com a sua irmã mais velha e o seu irmão mais novo.

Campion começou por tirar um curso em Antropologia Estrutural, até viajar para a Europa e se apaixonar pelas artes. Terminou o seu diploma em Sidney (Austrália) tendo como ramos a pintura e a escultura, mas no último ano começou a descobrir a sua verdadeira vocação pela sétima arte, e começou aí a aventurar-se por curtas-metragens em Super 8.

A curta Tissues levou-a à Australian Film Television and Radio School, escola onde desenvolveria mais projetos: Peel (1982), Passionless Moments (1983), A Girl's Own Story (1984) e After Hours (1984). Serão precisamente estas as curtas exibidas no âmbito do Cortex 2017. Talvez ajudada com a sua formação ampla em artes e humanidades, Campion revela desde cedo um talento em dar voz a personagens que lutam para ser ouvidas no mundo (na sua grande maioria mulheres), a sexualidades presas, "proibidas" filmadas sem grandes julgamentos.

Peel (1982)

É um verão quente na Austrália. Uma família viaja de carro. Até o filho do casal começar a deitar cascas de laranja janela fora, e ser repreendido pelo pai...

Nos seus 9 minutos (vencedores da sua primeira Palma de Ouro, quando a curta foi exibida em 1986 no Festival de Cannes), Campion nunca dá essa sensação de tranquilidade bucólica de um fim-de-semana em família. Começamos logo a ouvir o que parece ser o bater insistente de uma bola (é afinal uma laranja, que funcionará, tal como a sinopse indica, como um motor mais potente que o carro que leva esta família), acompanhado do pré-título de Peel, An Exercise in Discipline (traduzido à letra por Um Exercício em Disciplina). Segue-se, ainda com o mesmo barulho inquietante, uma imagem com o desenho do "triângulo familiar" em questão. Um triângulo formado por atos e contra-atos de uma teimosia rebelde. Um triângulo que narrativamente lê-se mais como um círculo, dado que a história eventualmente se fecha no mesmo ato com que desabrocha, desta vez assumindo a criança o papel de "polícia". A disciplina, tal como o amor, tem um carácter bidireccional, reativo. Que Campion brinque também aqui em tão curto espaço de tempo com a fronteira entre o real e o ficcionado surge como um pequeno bónus. "Uma história real/ uma família real" é outro dos subtítulos presentes no início da curta, e de facto, a família de Peel é mesmo uma família "real", recrutada pela realizadora.

Passionless Moments (1983)

Passionless Moments expande a veia experimental já a espreitar em Peel, só que ao invés de se focar numa só unidade, Campion foca-se aqui numa sequência de vinhetas (e aqui são 10 mini-"histórias de bairro" em pouco mais de 10 minutos, mais concretamente!) sob um olhar irónico.

A intenção de repetir o realismo de Peel, pese uma estética mais "artificial", mantém-se. Numa entrevista à publicação francesa Positif com Michael Ciment em 1989, Campion enfatiza precisamente esse realismo que procura nas suas histórias: "O Gerard (Lee) [co-argumentista, e corealizador] e eu queríamos mostrar pessoas comuns e doces que raramente vemos no ecrã e que têm mais charme que actores mais conhecidos".

Foram precisos 5 dias para filmar esta curta; duas histórias por dia. O estilo novamente documental dos procedimentos reflecte-se logo também no título completo revelado nos primeiros segundos: "Passionless Moments recorded in Sydney, Australia, Sunday October 2nd", como se de uma experiência antropológica, etnográfica, se tratasse.

A Girl's Own Story (1984)

A temática do isolamento feminino e do desejo reprimido presente na maior parte das suas longas-metragens é aqui introduzida, numa faceta ainda mais extremista do que as que testemunhámos em filmes como Um Anjo à Minha Mesa, O Piano, Retrato de uma Senhora ou In the Cut.

A desejabilidade do inacessível traduz-se neste caso numa relação incestuosa entre dois irmãos. Estamos em plena era de "Beatlemania". Entretanto, outras duas raparigas, fãs dos Beatles, exploram a sua sexualidade despertante, sendo que, numa das cenas mais marcantes, uma delas usa uma máscara de um dos elementos da banda, enquanto beija a sua amiga (soubemos anos mais tarde, que aos 14 anos, a Nicole Kidman de "Retrato de uma Senhora", rejeitou um destes papéis por se sentir desconfortável com o que lhe era pedido...).

Não há uma narrativa organizada, há fragmentos da vivência destas três adolescentes, e uma necessidade constante de ter "aquecedores", como que para reduzir o isolamento emocional destas personagens. Não será de todo coincidência que o tema cantado por estas três adolescentes no final desta curta se intitule "I Feel the Cold" ("Eu sinto o frio") numa sala cheia... de aquecedores. Campion aperfeiçoaria estas "metáforas literais" anos mais tarde com a personagem de Ada do Piano (uma mulher literalmente sem voz no mundo que a rodeia), mas A Girl's Own Story contém já aqui a mesma franqueza que a obra posterior da realizadora.

After Hours (1984)

Face às três curtas que lhe precederam, After Hours é definitivamente mais polido, mais "profissional" (i.e. indo mais ao encontro de um modelo canónico de perfeição artistica), notando-se um crescimento óbvio neste seus anos na Escola de Cinema.

Campion parte desta feita para a temática do assédio sexual. Mas não se trata de filmar uma acusação em jeito de "filme de tribunal"; conforme nos irá habituar muitas vezes no formato longa-metragem, à realizadora interessa mais explorar a fronteira, por vezes difícil de limitar, entre o factual e o fantasiado para a protagonista feminina. Se há um ponto bastante positivo no filme, e apesar de termos claramente aqui uma perspetiva clara da vítima, é questionar a própria veracidade do assédio em questão. Apanhamos a incoerência do "retrato de família" no depoimento desta jovem, e imaginamos até que, em última análise, no seu pensamento, pudesse ter servido para tornar a sua história mais dramática no tribunal. Ou que possa simplesmente ter imaginado essa parte, a partir dos relatos do alegado abusador, e nem sequer saber que imaginou. 

No entanto, a própria Campion não lembra com bons olhos esta experiência mais panfletária, comissionada pela Women Production United, alertando para o aspecto de encomenda (profissional, mais uma vez, sem dúvida) aberta ao feminismo do próprio. Na entrevista de 1986 a Michael Ciment (aquando da projeção das suas três curtas anteriores em Cannes) afirmou o seguinte: "Não me senti confortável, porque não gosto de filmes que digam como as pessoas se devam ou não comportar. Acho que o mundo é mais complicado que isso. Prefiro observar pessoas, estudar o seu comportamento sem as culpar. Preferia ter posto este filme num armário, mas acabou por viajar pelo mundo! Gosto de fazer filmes que gostaria de ver como espectadora e não é o caso com 'After Hours', mas foi importante para mim fazê-lo."



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos